Menu Suspenso

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Quem Somos

                  O que queremos?




A idealizadora deste blog é bacharel em Administração Pública, pela Universidade Nacional de Brasília (UNB), nasceu em 1981 e não tem formação em jornalismo, história, teologia ou áreas afins. Essa mulher é antes de tudo uma pessoa curiosa, que encontrou nos assuntos correlatos à espiritualidade e ao afro ativismo, a sua verdadeira vocação.

Falando agora em primeira pessoa, meu nome é Adriana, sou da cidade satélite de Ceilândia-DF, que fica localizada na periferia da Capital Federal (do Brasil). E porque escolhi o nome Hebreu Negro? Explico depois. Sobre minha vida pessoal, eu tenho a Síndrome de Asperguer (Transtorno de Espectro Autista -"Leve", que de leve só tem o nome), já ouviram falar? Pois é, posso dizer que sou uma pessoa que luta contra limitações a muitos anos.

Com respeito ao blog, eu não tenho (infelizmente) o dom da escrita. O que estou fazendo aqui, então? Sendo uma baita enxerida, pseudo blogueira, ingênua, espiritualizada e pretensiosa empreendedora, na melhor das hipóteses. Sim, eu resolvi arriscar e entrar nesse mundo, e confesso, o meu objetivo original não foi puritano, dado que nasceu de uma ideia com fins lucrativos, mas no fim transmutou-se em verdadeira paixão pelo mundo afro em geral.

Em tempo, quero frisar que os textos deste blog nunca são de minha autoria e digo também que, eu não sou afrodescendente, pelo menos não aparentemente. Digo isso porque, eu nunca fiz um teste genético, entretanto, posso cogitar que meu DNA é afro, índio, europeu e até judeu, segundo dados e relatos até então não confirmados. Um dia saberemos.

E testifico que, apesar desse hobby ter um viés meio religioso, ele é antes de tudo uma atividade de cunho ativista. Afinal de contas, nada melhor que aumentar a autoestima dos afro-brasileiros do que através destas belezuras expostas por aqui. Chamo isso de empoderar os afrodescendentes. Mas antes  de tudo, preciso arrumar a casa, isto é, revisar os textos deste blog, dar os devidos créditos, fazer novas publicações e concretizar o lado comercial desta empreitada valorizando o mundo afro desta nação.

Friso por fim, que eu não prego o ódio aos brancos e nem pretendo converter ninguém a nada. Também não sou uma santa, nem profana. Sou uma estudante de cabalá autêntica, de pele branca, que pode muito bem combater o racismo e fazer o que gosta ao mesmo tempo.

Amigos, eu não pretendo criar polêmicas ou semear o mal.

Comecemos então, pelo objetivo inicial que foi mostrar, se Cristo realmente existiu historicamente, que ele foi certamente, um indivíduo de pele com bastante melanina, não concordam comigo? Veremos isso nos relatos descritos nas próximas publicações. E se os antigos hebreus e o próprio Cristo eram pessoas afro, no sentido literal da palavra, não seria o caso de encerrar de vez com o racismo tolo, que insiste em existir, em pleno século XXI? E se tal fato foi verdade, por que ficou por tanto tempo ocultado? Talvez seja o momento de debater, revelar e sobretudo lutar por um mundo melhor para todos.

E por favor, não esperem de mim a ausência de falhas, porque eu sou um ser humano. Não esperem de mim uma intelectual, porque sou pessoa comum, da periferia, que enfrenta duras fragilidades e obstáculos devido à síndrome, mas que ama questionar o sentido da vida e sonha em mudar um pedacinho do mundo. Busco Deus no coração.

Este mundo em que vivemos precisar renascer, reformular-se ou findaremos em guerras capazes de extinguir nossa raça.

Fica a dica: busquem pesquisar a respeito dos assuntos bordados, compreendam melhor o ser humano e confiem que a humanidade afinal evoluirá. Vamos dar origem a um mundo mai justo e feliz em breve, amém!

Que reine o afro amor!

                                                                                                                                
Adriana Souto
Nosso contato: 

contato@hebreunegro.com (e-mail temporariamente desativado)
hebreu.negro144@gmail.com (e-mail reativado)
hebreunegro@yahoo.com.br


Te saúdo com um abraço fraterno! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário