Menu Suspenso

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

A primeira mulher a figurar no rool de milionários americanos era uma empresária negra.


Sarah Breedlove (1867-1919), conhecida como Madame CJ Walker, foi a primeira empresária americana (frisa-se, a primeira do sexo feminino), a figurar no rool de milionários dos Estados Unidos, no despontar do século XX. Sua fortuna veio através do desenvolvimento e comercialização de um linha de produtos de beleza, para cabelo, voltado exclusivamente às mulheres negras.

Sarah foi a primeira criança de sua família a nascer livre (seus pais e irmãos foram escravos). Ela tornou-se órfã aos sete anos de idade (sua mãe morreu de cólera, em 1872, e seu pai casou-se novamente, mas, veio a morrer em seguida). Com apenas 14 anos de idade a jovem americana se viu obrigada a casar, para escapar dos maus tratos impetrados por seu irmão Powell. Quando tinha 20 anos, e sua filha 02 anos de idade, o marido de Sarah morreu. Ela muda-se então, para St. Louis, onde três de seus irmãos trabalhavam como barbeiros. Será com eles que ela irá aprender o ofício que irá mudar sua vida. De início madame Walker conseguiu trabalho apenas como lavadeira, onde ganhava pouco mais de um dólar por dia. Apesar disso, estava determinada a fazer dinheiro, para que sua filha pudesse receber uma educação formal.

Sarah, como a maioria dos afro-americanos, sofria com caspa severa, além de outras doenças do couro cabeludo. Ela chegou a desenvolver calvície devido em parte à aplicação de produtos capilares agressivos, como a soda cáustica presente nos sabonetes usados para lavar os cabelos. E os hábitos de higiene da maioria dos americanos dos guetos, era pouco frequente, dado que não tinham acesso à água encanada, à aquecimento ou eletricidade.

Inicialmente, Madame Walker aprendeu sobre cuidados com os cabelos, através de seus irmãos (os barbeiros de St. Louis). Por volta de 1904, Sarah já trabalhava com produtos de higiene capilar, voltados ao público afro-americano. Ela irá desenvolver sua própria linha de beleza, anos depois. Em Denver, Sarah casa-se com Charles Joseph Walker, e começa a despontar como Madame CJ Walker, uma cabeleireira independente e varejista de cremes cosméticos. Charles cuidava da publicidade da empresa, enquanto Sarah treinava mulheres a fim de torná-las "profissionais de beleza", especialistas na arte de vender produtos de higiene capitar. Em 1906, madame Walker coloca sua filha no comando da CJ Walker Manufacturing Company, enquanto ela e seu marido viajavam por todo o sul e leste dos Estados Unidos, para expandir o negócio.


Em 1910, madame Walker muda-se para Indianópolis, onde estabelece a sede de sua empresa, uma fábrica, um salão de beleza, e uma escola para treinar seus agentes de vendas. Mais tarde, ela cria um laboratório para desenvolver produtos mais sofisticados. Madame CJ Walker viu seus negócios sendo expandidos para além dos Estados Unidos, alcançando Cuba, Jamaica, Haiti, Panamá e Costa Rica.


Inspirada no modelo da Associação Nacional de Mulheres Negras, ela começa a organizar seus agentes de vendas, em clubes, com direito à conferência anual (lembra muito o famoso Herbalife) regada a prêmios para as mulheres que tinham vendido mais, e para quem trazia novos agentes de vendas, para a companhia. Sarah também incentivada a filantropia, premiando pessoas que realizavam trabalhos assistenciais, em comunidades carentes. Ela ressaltava a importância do engajamento filantrópico e político. Sarah  foi uma mulher de negócios, além de seu tempo. Ela trabalhou com mala direta, levando a companhia a um crescimento contínuo. 

Os produtos de Madame Walker incluíam shampoo, pomada para crescer o cabelo, escova, etc. Além disso a companhia treinava mulheres negras, a fim de incentivá-las ao empreendedorismo, através de palestras sobre questões políticas, econômicas e sociais, em convenções patrocinados por instituições afro-americanas. 

Sarah envolveu também em assuntos políticos, juntando-se à NAACP, que organizou um protesto pacífico, com mais de 8.000 afro-americanos, contra a matança de 39 afro-americanos.

Madame CJ Walker morreu em 25 de maio de 1919. Ela foi enterrada no Cemitério de Woodlawn no Bronx , Nova York, e deixou, em seu testamento, uma fortuna (dois terços dos lucros líquidos futuros de sua companhia) para a caridade. Ela ficou conhecida como a mulher negra mais rica da América, no início do século XX. 

Fonte:
Wikipédia, a enciclopédia livre. Madam CJ Walker. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Madam_C._J._Walker. Acesso em 05 fev. 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário