Menu Suspenso

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

O Kwanzaa acabou! Mas, o que é Kwanzaa mesmo?


O que é Kwanzaa? E o que aprendemos com os seus princípios?

Para aqueles que ainda não sabem, falamos de um feriado pan-africano, muito comemorado nos EUA, e que foi criado pelo ativista Maulana Karenga.  O objetivo dele era oferecer aos afroamericanos um feriado alternativo, para celebrar a sua ancestralidade, e assim, estar em harmonia com as tradições africanas, ao invés de, simplesmente, imitar as práticas da sociedade branca dominante.

Maulana Karenga Ndabezitha (nascido Ronald McKinley Everett), professor de  Estudos Negros, da Universidade Estadual da Califórnia, e considerado uma figura importante do nacionalismo negro americano, explica que, o nome Kwanzaa deriva do Swahili (língua bantu),  cuja frase - "matunda ya kwanza" - significa: "primeiros frutos da colheita". E o feriado, que vai de 26 de dezembro até 1° de janeiro, não é considerado religioso, como alguns pensam, nem pretende substituir o Natal. Ele tem como base os festivais de colheita (no final do ano) praticados pelos povos africanos (antigo Egito, povo Ashanti, povo Yoruba, Suazilândia, Núbia, Matabele), que se reuniam para celebrar as primícias da terra. Dito isso, o objetivo do feriado, na diáspora, é unir as pessoas de descendência africana, em todo o mundo.


Deve-se frisar que, o Kwanzaa é mais que uma simples celebração, porque ele envolve uma reflexão sobre sete princípios (Nguzo Saba), um para cada dia da semana, que deveriam ser observados por todos os povos da humanidade. São eles: a união, a autodeterminação, o trabalho coletivo e responsabilidade, a economia cooperativa, o senso de propósito, a criatividade e a fé. Em síntese, estes princípios visam a construção/valorização e reunião da comunidade, das famílias e amigos, a valorização das crianças, a reverência ao criador e à criação (celebração do bem da vida), e a comemoração do passado, honrando os antepassados africanos.

Durante o Kwanzaa, os celebrantes cumprimentam-se com - "Gani Habari” – que significa: "Qual a boa nova?/Quais as novidades?”. E os próprios princípios do Kwanzaa oferecem a resposta para esta indagação. Meditando sobre eles, encontramos uma linda lição africana, para toda a humanidade.Vejamos: (repare nos símbolos, no lado esquerdo do quadro).


Umoja (oo-MOH-ja) – Significa: a unidade. E o objetivo é a construção da comunidade, em que os esforços são pela manutenção da unidade, na família, nação e  de raça.

Kujichagulia (koo-jee-cha-goo-LEE-yah) – Significa: autodeterminação. E o objetivo é "falar para si mesmo" (definindo a si mesmo), fazendo escolhas que beneficiem a comunidade (alguns explicam assim: "criar para nós mesmos" e "falar para nós mesmos").

Ujima (oo-JEE-mah) – Significa: trabalho coletivo e responsabilidade. O objetivo é ajudar os outros, dentro da comunidade.

Ujamaa (oo-JAH-ma) – Significa: economia cooperativa. E seu objetivo é apoiar as empresas locais, que se preocupam com a comunidade.

Nia (nee-AH) – Significa: um senso de propósito, finalidade. O objetivo é o estabelecimento de metas que beneficiem a comunidade (construir uma vocação coletiva, e o desenvolvimento da comunidade, a fim de restaurar os povos africanos a sua grandeza tradicional).

Kuumba (koo-OOM-bah) – Significa: criatividade. E o objetivo é fazer a comunidade ser melhor e mais bonita.

Imani (ee-MAH-nee) – Significa: a fé. Tem o objetivo de alimentar a crença que um mundo melhor é possível, e assim, criar comunidades para o agora e para o futuro.

Detalhes da Celebração:

O Kwanzaa é comemorado hasteando uma  bandeira com as cores vermelho, preto e verde, que eram símbolos importantes na África, especialmente, quando do surgimento do movimento negro nacionalista, de Marcus Garvey. verde simboliza a terra fértil da África; o preto é a cor das pessoas; e o vermelho é o sangue derramado, na luta pela liberdade.

Bandeira da UNIA

É utilizada então, uma bandeira com sete símbolos indicativos dos sete princípios da tradição e filosofia africana. Os símbolos são:

Mkeka (M-kay-cah): a esteira (geralmente feita de palha, de tecido ou de papel), sobre a qual todos os outros símbolos do Kwanzaa são colocados. A esteira representa a base das tradições africanas, sobre a qual se apoiar e construir.

Mazao (Maah-zow): é a safra, as frutas, nozes e vegetais, que representam as colheitas africanas, o resultado do trabalho, denotando respeito pelas pessoas que trabalharam. Aqui, vemos a própria base do feriado, que traz a alegria da partilha, da ação de graças e do trabalho coletivo. Uma vez que a família é o centro econômico básico, de toda civilização, este festival forja laços mais fortes entre os membros da família, e também serve para reafirmar o compromisso e a responsabilidade para com o outro.

Kinara (Kee-nah-rah): é o candelabro, e representa a base original, isto é, de onde todos os ancestrais africanos vieram. Este candelabro contém sete velas, que simbolizam os talos de milho, que se ramificam para formar novos talos, fazendo referencia à família humana. As velas são objetos cerimoniais com dois propósitos principais: para recriar simbolicamente o poder do sol e para fornecer luz. A mística do fogo, como a do Sol, é irresistível, e tem a capacidade de destruir ou criar, com o seu poder de fascinação, assustador e mistificador. E, a celebração do fogo, através da vela que se queima, não se limita a um grupo ou país em particular. Na verdade, ocorre em todos os lugares.


Mishumaa (Mee-shoo-maah): são as sete velas em que, cada uma representa um dos sete princípios, sendo as cores vermelha, verde e preta, símbolos do povo africano e de sua luta. Uma vela é acesa a cada dia, sendo três velas à esquerda (verdes); três à direita (vermelhas); e no meio uma vela (de cor preta). Estas cores são também símbolos de deuses africanos. O vermelho é associado com Xangô, o Yoruba Deus do Fogo, Trovão e Relâmpago, que vive nas nuvens, e envia seus raios sempre que ele está irritado ou ofendido. O Vermelho representa a luta pela autodeterminação e liberdade das pessoas de cor. O verde é associado com a terra, que sustenta a vida e fornece a esperança, adivinhação, emprego, e frutos da colheita. O preto é representativo do povo, bem como da Terra, que é a fonte da vida, símbolo de esperança, criatividade e fé. Além disso, o preto indica mensagens, e a abertura e fecho de portas.


Vibunzi (plural - Muhindi - Moo-heen-dee): é a espiga de milho, que representa as crianças africanas, bem como a promessa de um futuro para elas. Cada sabugo de milho representa a fertilidade, e é símbolo de uma das crianças da família, ou da própria comunidade. Note que, mesmo em lares onde não há crianças, este símbolo se faz presente porque, cada pessoa é responsável pelas crianças da comunidade. Veja que, o provérbio nigeriano: "É preciso uma aldeia inteira para educar uma criança", diz muito sobre este espírito de cuidado, compaixão e empatia, do continente africano. E é por isso que, durante o Knwanzaa, o amor e a nutrição, que são dedicados às criança, de forma abnegada, e sem excluir nenhuma delas, é bastante manifesto, seja nos símbolos, seja no cuidado com os indefesos, os sem-teto e os sem amor, isto é, o amor é manifesto a todos os pequeninos, sejam estes as crianças da comunidade, ou os adultos necessitados.
Kikombe cha Umoja (Kee-com-bay chah-oo-moe-jah): é a Taça da União, que simboliza o primeiro princípio do Kwanzaa, ou seja, a união da família e do povo africano. A taça é usada para derramar a libação (água, suco ou vinho), honrando os antepassados, e depois passa de mão em mão, representando a união da família e dos amigos; em que, antes de beber, as pessoas dizem: "Harambee" - "vamos reunir." Nas sociedades africanas, as libações são derramadas para os mortos-vivos, cujas almas permanecem com a terra que cultivavam. "Os mortos não morrem".

Zawadi (Sah-wah-dee): são os presentes ofertados, representando o trabalho dos pais, e a recompensa dada aos filhos, no sentido de promover ou premiar realizações alcançadas e compromissos que foram mantidos. Isso porque, a aceitação de um presente implica a obrigação moral de cumprir a promessa do dom. E os presentes costumam ser educacionais e culturais, sendo dados às crianças, no dia 1º de Janeiro, que é o último dia do Kwanzaa. De forma geral, pelo menos um dos presentes deve ser um símbolo da herança africana. Presentes artesanais são incentivados a fim de promover a auto-determinação, propósito e criatividade, bem como para evitar o consumismo.

Para finalizar, frisa-se que, cada dia deste feriado tem uma simbologia. A festa começa dia 26 de dezembro, e dia 31, por exemplo, é quando as famílias e as comunidades têm um Karamu, que é uma festa especial, incluindo leituras, lembranças e uma refeição festiva. A festa Karamu pode consistir de pratos tradicionais africanos, bem como da utilização de ingredientes que caracterizam o que os africanos trouxeram para os Estados Unidos, como: sementes de gergelim, amendoim, batata doce, couve e molhos picantes. 


E o primeiro dia do Ano Novo é um momento de avaliação séria.Também conhecido como o "Dia da Meditação" ou "Dia de Avaliação". Nesse período realiza-se uma auto-reflexão, de forma à, sobriamente, responder as três perguntas do feriado: "Quem sou eu?" - "Eu realmente sou quem eu digo que sou?" - "Eu sou tudo o que eu deveria ser?".

Por fim, como este feriado é uma celebração sem vínculo com nenhuma religião, ele está aberto aos praticantes de todas as religiões. Hoje, a observância dos sete dias do feriado de Kwanzaa é comemorado por milhões de afro-americanos e africanos em todo o globo.

Fontes:

Kwanzaa. Disponível em: http://www.novareinna.com/festive/kwanzaa.html. Acesso em 05 jan. 2016.

Stephanie Watson. Os sete símbolos do Kwanzaa. Disponível em: http://pessoas.hsw.uol.com.br/kwanzaa4.htm. Acesso em 05 jan. 2016.

Holly Hartman. Kwanzaa.Disponível em:https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://en.wikipedia.org/wiki/Kwanzaa&prev=search.  Acesso em 05 jan. 2016.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Maulana Karenga. Disponível em:https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://en.wikipedia.org/wiki/Maulana_Karenga&prev=search. Acesso em 05 jan. 2016.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Kwanzaa. Disponível em:https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://en.wikipedia.org/wiki/Kwanzaa&prev=search. Acesso em 05 jan. 2016.

Paz!



Nenhum comentário:

Postar um comentário