Menu Suspenso

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Você é Preto? Afrodescendente? Negro? Mulato? Moreno? Crioulo? Pardo? Cafuso? Mestiço? Qual o termo correto?


Acima, a foto de uma grande atriz "negra" brasileira, que recentemente foi alvo de racismo. Pergunto: devo chamá-la de negra, preta ou afrodescendente? 

Observe o seguinte: saber qual termo correto utilizar, para referir-se aos afrodescendentes é fundamental, por dois motivos: primeiro, porque muitos destes termos são pejorativos, e você não deve aceitá-los, nem perpetuá-los; segundo, porque existe uma coisa chamada cotas raciais, que beneficia, de forma bem justa, as classes historicamente injustiçadas pelo sistema. Lembrem-se que, a escravidão produziu efeitos nocivos, sentidos até hoje, pelos negros em geral (pobreza, racismo...), portanto, as cotas são justas, e para utilizá-las, você deve ser negro, pardo ou índio (se entendi bem é isso). Abaixo você entenderá o que quer dizer a palavra pardo, mas, esta é uma questão difícil de definir; pergunto: qual critério utilizam para definir uma pessoa como parda? Veja a postagem: "No critério racial, haverá separação entre pretos, pardos e índios?". A resposta correta é: Não. 



Falaremos das cotas em outra postagem, agora, vamos descobrir qual termo correto deve-se utilizar, para referir-se aos afrodescendentes, sem que se incorra em risco de cometer gafes.

Conceitos Gerais:

Afrodescendente: é aquele que descende de africano. A palavra é formada por dois adjetivos: afro, que faz referência ao africano, e descendente, que é aquele que descende de, que provém de um ascendente (ancestral), portanto, afrodescendente significa “descendente de africano”.

Você é descende de africano? Se você tiver pele negra, com muita melanina, com certeza você é, entretanto, há pessoas brancas, que também são, se pensarmos no componente DNA. Em todo caso, sabe-se que, o racismo criou a escravidão, apagou a história e a identidade dos negros escravizados, e minou a autoestima dos pretos de toda humanidade, ao longo da história. E, é por esse motivo que, muitos afrodescendentes não se veem como descendentes de povos da África.

A verdade é que, mentiram para o mundo inteiro, dizendo que a África não produziu nada, que ela não passa de um terra selvagem, de riquezas naturais (roubadas pelos colonizadores). Entretanto, neste blog, e em muitos outros, você descobre que, a África foi o berço das ciências. Veja o caso do antigo império egípcio.

A figura de Imhotep é emblemática. Ele foi um sumo-sacerdote egípcio, arquiteto, físico, médico, químico, filósofo; em suma: um polímata (sábio em várias áreas), que ajudou a construir uma civilização africana absurdamente genial, em seu tempo, que foi capaz de legar à humanidade muitos conhecimentos científicos, que foram usurpados pelos europeus (plagiados, se queremos utilizar um termo mais popular). Então, não deixe de ver as provas que atestam estes fatos, em: “O Legado Roubado - Stolen Legacy (livro)”, postagem do dia 29 de julho, de 2015, que trata do livro: "Stolen Legacy", de George Granville Monah James, cujo foco central foi o relato (com provas cabais) do maior crime cometido pela Europa, contra o mundo: o roubo intelectual da herança africana. Veja também, a postagem: “Imhotep - o egípcio - um homem negro - é o verdadeiro pai da medicina”, do dia 18 de outubro de 2015.

Votando ao assunto central desta postagem:

Qual o termo devemos usar, quando queremos nos referir aos negros em geral?

A publicação do jovem Anderson “Hebreu Israelita”, cujo título é: “Você Não é Pardo, Mulato ou Queimado do Sol, Você é Preto, Negro”, foi a nossa inspiração, para este texto, então, sugiro que leia a matéria dele, na íntegra, em: 
http://hebreu-suburbano.blogspot.com/2010/08/voce-nao-e-pardomulato-ou-queimado-do.html#Hpx2iSbJwtRe0WPy.99.

Mais conceitos gerais:

Mulato: (do espanhol mulato, de mulo, no sentido de 'híbrido', inicialmente aplicado a qualquer mestiço) é um termo que designa a pessoa que é descendente de africanos e europeus (mestiço). São pessoas que podem apresentar os mais variados perfis fenotípicos e culturais.

Temos aí, um fator que dificulta a identificação do brasileiro, uma vez que misturamos os genes africano, europeu e indígena. Eu mesma, sou um exemplo (é o que dizem). Então, eu sou o quê? mestiça? parda? Há quem seja negro e se denomina pardo (por preconceito?).

Sobre o termo mulato, Anderson (O Hebreu) frisa que, trata-se de um termo pejorativo, portanto, não aceite ser chamado de “mulato”.

De fato, ele tem razão. Segundo a maioria dos estudiosos, o termo 'mulato' vem das palavras em espanhol e português para “mula”, que por sua vez, baseia-se no termo em latim, para o mesmo animal, “mulus”. A mula é o produto resultante do cruzamento do cavalo com burra, ou do jumento com égua.

O termo que significa "híbrido" (resultado de mistura de raças) passou a aplicar-se aos filhos de homem branco com mulher negra, ou vice-versa, e foi usado pela primeira vez há cerca de 400 anos, durante o período escravista.

Quanto à premissa que diz: a palavra (“mulato”) veio do árabe - mowallad ("filho de árabe e estrangeiro"), a verdade é que, a maioria dos etimólogos e lexicógrafos descarta tal hipótese. Os especialistas ressaltam:"mulato" é certamente um termo ligado ao comércio atlântico de africanos escravizados.

Vemos então que o termo mulato é de fato pejorativo, e refere-se aos mestiços, que infelizmente também sofrem preconceito, porque não são brancos, nem negros. Isso é antigo no Brasil, e surgiu das ideias do Conde de Gobineau, segundo o qual, “uma nação que mantém hábitos de mestiçagem tende a ser extinta em menos de 200 anos”. Outros teóricos acreditavam que a mestiçagem “tinha aspectos positivos, por permitir o gradual 'embranquecimento', da população”. Em ambos os casos há uma visão preconceituosa, baseada na crença de uma superioridade dos brancos.

Um dado interessante: a era Vargas tentou construir uma ideologia da identidade brasileira, incorporando o componente mestiço. Sílvia Capanema P. de Almeida, em:Somos ou não somos Racistas?” relata que, a publicação “Casa Grande & Senzala”, de Gilberto Freyre (1933), buscou reforçar a ideia do mulato, como elemento de conciliação entre, senhores brancos e escravos negros. Nos anos 1940, da união dessa construção da identidade brasileira à política de boa vizinhança com os EUA fez surgir a produção de estereótipos como "baiana" brejeira, ao gosto de Hollywood, interpretada por Carmen Miranda, e o personagem Zé Carioca, criado pelos estúdios Disney, como representação do homem brasileiro (alegre e despreocupado, malandro, sambista). Ver em: História Viva, edição 37, novembro de 2006.

Outros conceitos:

Pardo: é o termo adequado para referir-se ao mestiço (mulato jamais), e é usado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para configurar um dos cinco grupos de "cor ou raça", que compõem a população brasileira, junto com brancos, pretos, amarelos e indígenas.

O manual do IBGE define o significado de pardo como: referente às pessoas com uma mistura de cores de pele, seja a “miscigenação mulata” (descendentes de brancos e negros), “cabocla” (descendentes de brancos e ameríndios), “cafuza” (descendentes de negros e indígenas) etc.

Mas, no passado, a palavra “pardo” foi usada como sinônimo de um sistema de castas, e teve origem na América de colonização espanhola, entre os séculos XVI e XVIII. Essa América Hispânica tinha sua economia baseada na escravidão. Isso faz do termo algo correlato à depreciação? O que você acha?

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), de 2006, os pardos compõem 42,6% da população do Brasil (79,782 milhões de pessoas).

Em 2009, o IBGE identificou 84 milhões de brasileiros que se autodeclararam pardos, ficando este grupo étnico atrás apenas dos brancos. Fico pensando: quantas pessoas se denominam pardos, por mero preconceito, porque não querem ser negras?

Um dado histórico: "pardo" é usado no Brasil, desde o período colonial. Na carta de Pero Vaz de Caminha, os índios foram chamados assim: "Pardos, nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Traziam arcos nas mãos, e suas setas. Vinham todos rijamente em direção ao batel".  

A historiadora Hebe Mattos traz um dado interessante: a categoria "pardo", típica do final do período colonial, tem um significado muito mais abrangente que "mulato" ou "mestiço". Com o crescimento de uma população livre (alforriada), de ascendência africana, o termo teve sua significação ampliada, em que, "pardo livre" passou a englobar uma crescente população de origem africana, não necessariamente mestiça, mas, já dissociada da escravidão, por algumas gerações, para o qual os termos "crioulo" ou "preto", que remetiam diretamente à escravidão ou à recente alforria não eram pertinentes.

Portanto, o termo "pardo", que remetia a uma ascendência africana, mestiça ou não, buscou marcar uma diferenciação social entre dois grupos: o primeiro, composto de pessoas cujos ancestrais já haviam sido libertos da escravidão há algumas gerações, e o segundo, composto de escravos ou libertos recém-saídos do cativeiro, para os quais os termos "crioulo" ou "preto" eram comumente utilizados. Ao mesmo tempo, o termo (pardo) refletia uma discriminação da população branca, considerada superior.

Olha que interessante: o censo muda, à medida que o orgulho negro cresce. Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio, de 2011, mostrou que, o número de brasileiros que se autodenominam pretos cresceu de 6,9% para 8,2%, enquanto a população parda e branca diminuiu, nesse mesmo período.

Quanto ao termo pardo, entendemos seu significado, o que não fica claro pra mim é, no caso das cotas raciais, como definir uma pessoa parda, qual critério é utilizado? uma pele levemente bronzeada ? morna? é complicado? a questão é que não há critério científico para tal definição.

José Luiz Petruccelli, que faz pesquisas sobre diversidade racial há mais de 20 anos no IBGE, diz não ser correto, para efeito de pesquisas, reunir pardos e pretos em um só grupo, de negros. Segundo ele, a discriminação contra os pretos é muito maior do que a verificada entre as pessoas que se autodeclaram pardas, e essa diferença precisa estar presente nos levantamentos demográficos.


Finalizando:

O Conceito da palavra Negro é:  termo usado em sistemas de classificação racial, para designar os seres humanos com um fenótipo de pele escura, em relação a outros grupos raciais. Pode referir-se, inclusive, aos povos indígenas da Oceania.

O Conceito de Preto: A palavra "preto" aparece no século “X”, e designa uma pessoa de pele escura, mais particularmente, àquela que é originária da África subsariana. A palavra "negro" passa a ser adotada no século “XV”, com a escravização de africanos (pelos portugueses). Os espanhóis, porém, foram os primeiros europeus a usar a palavra "negros", para referir-se aos escravos, na América. Por conseguinte, um dos primitivos sentidos da palavra negro era "escravo". Por este motivo, a palavra é considerada ofensiva, em diversos países africanos e da Diáspora, como no Senegal e nos Estados Unidos, onde é empregada a palavra black, que literalmente corresponde à palavra preto, ao invés de niger (negro).

África subsariana ou subsaariana, também chamada África negra, corresponde à parte do continente africano, situada ao sul do Deserto do Saara, isto é, à todo o continente, exceto a região do Norte da África. Subsariana deriva da convenção geográfica eurocentrista, segundo a qual o Norte estaria acima (superior) e o Sul abaixo (daí o prefixo latino sub).

Conceito de Crioulo:

No Brasil, do século “XIX” (e anterior), chamavam crioulos aos escravos não-mestiços, que tinham nascido na terra, diferenciando-os assim, daqueles nascidos na África. Os escravos africanos que sabiam falar português e conheciam os costumes brasileiros eram chamados de "negros ladinos" ou “crioulos”. Os que desconheciam a língua portuguesa e os costumes da nova terra eram denominados "negros boçais".

No Rio Grande do Sul, estado brasileiro fronteiriço com a Argentina e Uruguai, a palavra crioulo é utilizada para designar os descendentes dos antigos colonizadores portugueses. Entretanto, cientes do seu uso no resto do Brasil, alguns procuram diferenciar os termos, utilizando a palavra "crioulo", para designar pessoas de pele escura, e a palavra espanhola "criolo", para designar os descendentes brancos, dos antigos colonizadores portugueses (preconceito?)

Quanto mais eu leio, mais me questiono. Qual o termo considerado racialmente ofensivo e o politicamente correto para referir-se aos afrodescendentes?

O termo correto é preto? Afrodescendente? Negro? 

Pra mim, o termo - negro - é adequado, sem conotação pejorativa (opinião pessoal). E para você?

Há pessoas que são de pele tão clara, que eu arriscaria descrevê-las como brancas bronzeadas ou “morenas” (que ou quem tem a pele azeitonada ou amarronzada, vermelha), pessoas como Alicia Keys e Malcon X (são exemplos).

De acordo com o diretor da Unegro, o termo afrodescendente - ou afrobrasileiro - está em desuso. "Acredito que hoje seja muito mais adequado chamar alguém de negro do que de afrodescendente. Essa é muito mais uma nomenclatura política, de ação dos movimentos sociais na luta contra discriminação do que para designar a cor", explica.



Finalizo com as sábias palavras de Anderson (O Hebreu): você pergunta “o que este texto tem a ver? o que você ta querendo dizer? …Eu to querendo dizer que não deixe ninguém dizer que você é Branco, Moreno, Queimado do Sol, Pardo, Mulato…Por que você não é Brow... e isto vale pro negro de cabelo LISO…que se acha Branco também….Porque você não é Branco, você é Negro…não tenha vergonha de assumir sua origem, sua Negritude…te Impuseram  que você não é Preto, que você é Pardo, que você é Mulato, Queimado do sol…você é tudo pra eles, menos preto…esquece isto rapa, isto é o sistema, a babilônia, o adversário tentando confundir você. Acorde! Você é Preto…descendente de escravos…africanos…você é um Hebreu descendente de Avraham (Abraão). Acordem”.


Fontes:

Anderson – O Hebreu - Você Não á Pardo, Mulato ou Queimado do Sol, Você é Preto, Negro. 2011. Disponível em: http://hebreu-suburbano.blogspot.com/2010/08/voce-nao-e-pardomulato-ou-queimado-do.html#6c3gOmJhj2mgkIhK.99. Acesso em 09 nov. 2015.

O que é Afrodescendente. Disponível em:  http://www.significados.com.br/afrodescendente/. Acesso em 09 nov. 2015.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Mulato. Disponível em:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Mulato. Acesso em 09 nov. 2015.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Pardos. Disponível em:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Pardos. Acesso em 09 nov. 2015.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Crioulos. Disponível em:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Crioulos. Acesso em 09 nov. 2015.

3 comentários:

  1. SOMOS NEGROS E DESCENDEMOS DE UM POVO QUE NASCEU LIVRE!!

    ResponderExcluir
  2. VALE APENA,LEMBRAR QUE NEGRO TAMBÉM É UM PEJORATIVO, MALIGNO E PERVERSO.
    CRIADO PELOS INGLESES E FRANCESES PARA DENIGRIR O POVO PRETO, O TEMOS QUE SER CHAMADOS DE PRETOS,PORQUE É ASSIM QUE AS ESCRITURAS NOS CHAMA SAMOS FILHOS DE CAM:CUXE,MIZRAIM,PUTE ECANÃÃ. E TODOS ESSES NOMES TEM O SIGNIFICADO DE PRETO,EMBORA SEM TAMBÉM ERA PRETO MAS COM OS TRASOS DIFERENTE DE SEU IRMÃO SEM.
    NEGRO,SIGNIFICA IMUNDO,MORTE, É PEJORATIVO QUE QUE OS NOSSOS OPRESSORES NUS DERAM.

    ResponderExcluir
  3. Direito adquirido,
    Como pode ficar?,
    Trinta anos trabalhei,
    Dez salários mínimos pude ganhar,

    Vinte anos depois de aposentado,
    Lesado pelo governo fui sem recuperar,
    O meu ganho real de seis salários mínimos,
    Como aposentado pude de fato ganhar.

    Em dez anos me vi prejudicado,
    Sem ter como minhas contas poder pagar,
    Fui lesado pelo Fernando Henrique, Lula e Dilma,
    Que só fez querer nos prejudicar.

    Ganho atualmente menos de três salários mínimos,
    Em treze anos não pude meu ganho real recuperar,
    Como poderei viver assim como os demais trabalhadores,
    Que têm suas contas do mês pra se pagar.

    Compras, Casa, Condomínio, Energia, Água, Gás de rua,
    Crediário, TV por assinatura, Telefone residencial, Celular,
    Empréstimo, Seguro, Plano de saúde, Funeral, Bombeiro,
    IPTU, IPVA, Passagens como tudo isso podemos pagar?.

    Seria suficiente acima de R$ 3.806,00 a cinco mil reais,
    Diante do custo de vida tão elevado,
    O salário mínimo deveria ser acima de mil reais,
    Sem esse ganho ficamos endividado.

    A cada eleição o povo é lesado,
    Já não podemos nesse governo confiar,
    É preciso um novo Partido,
    Algum político ou empresário querer formar.

    Partido da Comunidade Carente,
    Que possa melhor governar,
    Que tenha boas ideias,
    Sem querer nos prejudicar.

    O Partido da Causa Operária,
    Seri\a a nossa última esperança,
    Como o PT nos traiu nos deixou em dúvida,
    A corrupção o deixou na balança.

    Nos deixou em treze anos em dívida,
    Sem ter como nosso ganho real poder recuperar,
    Fiquem em treze anos endividado,
    Sem ter como minhas contas do mês poder pagar.

    Com esse meu desabafo,
    Quero em verso esse meu talento divulgar,
    Fui na ferrovia um Agente de Estação,
    E após ser aposentado pude o Vestibular estudar.

    Do poeta: Paulo de Andrade

    TELEFONE: 21
    27738167

    Yahu nome verdadeiro do criador,
    Yahushua nome verdadeiro do eterno,
    Que por ser negro quase mulato,
    Foi pelos romanos sacrificado no ato.

    A pedido dos católicos pagou alto preço,
    Foi desprezado, condenado um inocente,
    Que pregava o amor, a salvação,
    Tudo fez pra nos libertar do inferno.

    Se você realmente crer,
    Diga eu creio, assim seja,
    E saia daquela igreja,
    Porquê, o templo, é você.

    Templo construído por homens,
    Yahushua se recusou querer aceitar,
    Porquê sabia quanto seríamos enganados,
    Por quem tentaria a verdade nos ocultar.

    Antes mesmo do Brasil ser descoberto,
    O nome Yahushua ( Yaohushua ) Yehoshua em Israel já se ouvia falar,
    Como nome próprio não se traduz,
    Em nome de Yahushua devemos pelo mundo essa verdade pregoar.

    Caminhando com Yahushua eu vou,
    Pra essa VERDADE poder pregar,
    Como um remanescente e poeta,
    Quero o coração do mundo tocar.

    Yahushua é o caminho, a vida e a verdade,
    Não existe outro nome em quem possamos confiar,
    Em 1530 se criou a letra ( D ) e ( J ),
    E buscaram o nome do eterno querer mudar.

    Adulterando assim a Escritura Sagrada,
    E apresentado aqui no Brasil em forma de bíblia,
    Yahushua sabendo dessa mudança deixou o tempo,
    Essa verdade nos revelar como revelo neste dia.

    Entrei no Google fiz a minha pesquisa,
    E descobri toda verdade a respeito da Escritura Sagrada,
    O nome do eterno foi apagado do mapa,
    E um falso nome entrou no Brasil como foi aqui revelada.

    Yeshuá, esus, Jeová, Jesus, deus, após a descoberta do Brasil,
    Buscaram esses nomes nos apresentar,
    Ocultando assim o nome do eterno Yahushua,
    Tentaram essa verdade nos ocultar.

    Do poeta: Paulo de Andrade

    TELEFONE: 21
    27738167


    ResponderExcluir