Menu Suspenso

terça-feira, 20 de outubro de 2015

A evolução do Cristo até o Jesus negro.

Esta postagem visa apresentar a evolução do retrato de Cristo, ao longo dos tempos, e a revolução que a imagem de um Jesus afro tem representado.


Você, certamente, já recebeu um daqueles panfletos missionários, contendo uma imagem bíblica bonita, além de um versículo, correto? Alguns vem com o nome da igreja do missionário, outros apenas a mensagem a ser passada. Certa vez eu recebi um destes com a imagem de Cristo. Uma imagem clássica de um Jesus branco, angelical, de braços abertos, olhando para mim, benevolente, com um raio de luz saindo atrás de sua cabeça...



Se você pensar bem, é necessário muita criatividade e jogo de marketing, para atrair fieis às igrejas, hoje em dia. Igual quando se pretende realizar um seminário, sobre apocalipse, sobre o armagedom, por exemplo. Seria bom fazer um poster com imagens impactantes, uns F-18, caças voando sobre Israel, tropas armadas até os dentes, um dragão, um leão com asas, o número 666, tudo isso e muito mais. Porém, no caso do autor deste texto, o que ele viu no panfleto que tentava levá-lo a um seminário foi: 

Uma imagem de Jesus? Com aparência de um homem do Oriente Médio? Penso que foi coisa parecida. E Isso para um americano, depois do 11 de setembro, seria chocante! Isto é, um Jesus árabe. Já que a maioria das imagens de Jesus são muito mais “etnicamente suaves”. Desculpe pelo suave, digamos assim: um Jesus branquinho, sereno, rodeado de criancinhas, e anjinhos, e tal, é mais confortável.

De fato, em qualquer lugar, onde há um cristão devoto, sejam em igrejas, ou sei lá onde, o que se vê são retratos de um Jesus assim mesmo, hiper sereno, hiper ocidental, hiper europeu, hiper branco. Em suma: não há lugar para diversidade étnica.

Pausa para uma observação: para variar, o texto não é de minha autoria, e pior, não sei quem o redigiu, e não traduzo ao pé da letra, e costumo acrescentar algo, mas, sem fugir muito do texto original, então você deve buscar no site indicado como fonte, caso tenha desejo de ler o texto na íntegra, sem interferências minhas.

Um Jesus branco incomoda muita gente! um Jesus negro incomoda muito mais! Jogo de palavras a parte...seguindo as palavras do autor do texto:

O Jesus branco sempre me incomodou porque, eu acho que os cristãos precisam encarar os fatos, e parar de diluir a sua fé com imagens de Jesus segurando cordeiros e sorrindo com 12 crianças felizes.
Como é que alguém vai levar a sério um cara que parece um anjinho, como sendo o mesmo cara que vai julgar todas as almas, no apocalipse? Eu pensei que a religião era para ser um negócio sério.

Na minha opinião os cristãos (brancos) gostam de evitar o lado desagradável da sua religião. Eles gostam de torná-las fácil em si mesmas, para poder continuar acreditando. Eles querem se sentir justos, e para isso eles tiram fora todo o material que afirma, claramente, que eles são pobres pecadores, que poderiam facilmente ir para o inferno, por toda a eternidade. Cristãos brancos querem se sentir bem o tempo todo, sem sentimentos de culpa.

Mas, nos dias atuais, começamos a ver modificações nas representações do Cristo. É  o caso do Jesus negro, que só veio à tona, quando a comunidade afro de todo o mundo começou uma revolução, tomando posse de sua identidade hebreia, e mostrando ao mundo a que veio: resgatar sua identidade,autoestima e dignidade. Agora quero ver o racismo agonizar.

Vejamos como Jesus era retratado ao longo dos tempos, e que mensagem estava por detrás disso, assim sendo, o que as imagens de hoje dizem para você?


                                                                     Christ Pantocrator
 
Acima, vemos uma imagem antiga de Jesus, pintada em Daphni, Grécia por volta do ano 1100, que pode ser encontrada na Igreja Dormition of the Virgin. O título é " Christ Pantocrator", que em grego significa: Cristo, o Todo-Poderoso. Algumas características familiares são visíveis, como a barba, cabelo comprido e rosto fino. Sua expressão, porém, é muito mais estranha das que estamos acostumados a ver. Aqui está um homem com seus grandes olhos desviados do olhar do espectador, como se ele tivesse coisas mais importantes, para se preocupar, do que apenas você. A mão que ele mantém sobre a bíblia é interessante, na medida em que aparenta  algo como quem está pronto para largar essa Bíblia, e socar alguém, se necessário. E Jesus não está sorrindo, porque ele é sério, isso tem significado, um olhar severo denota algo sério. Essa aparente severidade, pode despertar uma conduta diferente por parte de quem vê, ele é assustador, e eu aposto que você não gostaria de irritá-lo. Ele certamente faz jus ao nome deste trabalho: “Cristo, o Todo-Poderoso”.


Esta próxima imagem, acima, foi feita por Orcagna, em torno de 1354-1357, e é intitulado "O Redentor". Aqui Jesus recebeu feições para fazê-lo parecer um pouco mais italiano, já que o artista da obra estava trabalhando em Florença, Itália. Nós ainda temos o cabelo comprido e barba, mas agora ele está olhando diretamente para nós e com a sua coroa brilhante, ele parece representar um julgamento em que o próprio espectador é julgado. Ele ainda não está sorrindo e seus olhos insensíveis fazem o espectador temê-lo, como na imagem anterior, mas ele, pelo menos, parece ter um parentesco, alguma relação com qualquer bom católico italiano e, assim, ele parece ser um salvador acessível, fundamentado com o título:"Redentor".

Noli mim Tangere


 
Estas duas imagens (acima) foram ambas pintadas no final de 1400 d.C. A primeira pintura é de Schongauer, e é intitulado "Noli mim Tangere" (Cristo com Maria Madalena). A segunda imagem é de Geertgen Tot Sint Jans, e é intitulada: "Cristo como o homem das amarguras?". Aqui ambos os artistas estão apelando para a nossa empatia. O Jesus que estamos vendo agora é frágil, e parece um pouco fraco, em face do mal. Ambas as pinturas apresentam mulheres que estão chegando perto dele e, em vez de Jesus se apresentar como um imponente rei, ele é representado na figura suave de um amigo, pelo qual podemos sentir pena. Aqui está alguém disposto a morrer por todo pecador, de modo que não temos nada a temer


Neste detalhe de: "A Última Ceia", de Leonardo da Vinci (que foi pintado no final dos anos 1400, também) nós temos mais do mesmo. Recentemente, este quadro tem sido estudado, por supostamente ter um significado oculto. É verdade, o simbolismo do número três é usado durante toda a pintura (3 janelas, triângulos?, apóstolos em grupos de três, todos representam a trindade), mas, esses significados passam desapercebidos pelo espectador casual. A maioria das pessoas pode se maravilhar com a beleza da imagem, mas, fato é que, ela está rodeada de significados enigmáticos, que somente os estudiosos podem realmente apreciar. Leonardo nos dar um Jesus que é puro simbolismo, seu significado está envolto em mistério e código. Jesus tem o olhar longe, distante, mas, que fica sem qualquer significado para o homem comum, tornando apenas mais um símbolo cristão.

Como os tempos as imagens de Jesus tornam-se menos enigmáticas, menos simbólicas, menos severas. Os artistas queriam torná-lo menos ameaçador, na esperança de trazer mais adeptos às igrejas. Jesus, o amigo do homem, Jesus, o cara legal, o homem branco de boa aparência, que vai perdoá-lo, não importa o que você faça, é o que chamamos de Relações Públicas, diplomata, conciliador.

Certa imagem que vi, de um Jesus ocidental, apresentava um retrato e perfil de um homem branco com um nariz alinhado, aspecto agradável e cabelo dourado e liso. Ele olhava para o céu, mas eu não acho que é porque ele está orando, mas, sim, porque ele está entediado. Em suma, era uma imagem tola, trivial.

Jesus afro






Recentemente a arte adquire novo significado. A primeira imagem pinta Jesus como um puro negro africano ou afroamericano, e isso não é muito surpreendente, pois a imagem foi feito na década de 1960 (é bem recente). A segunda imagem é do Caribe, e ambas as imagens estão a tentar envolver o espectador. Ambos têm uma qualidade icônica, ambos estão olhando diretamente para você, pronto para levá-lo e julgá-lo. Jesus pode não ter sido um homem negro, mas o ponto é que você não pode se esconder de esse cara, porque ele vai encontrá-lo (Jesus certamente foi negro).

Então por que estou tão preocupado sobre como Jesus é retratado na arte? Basicamente, é porque eu estou cansado de cristãos que creem em Jesus como o salvador, mas, agem de forma hipócrita, já que Jesus é apenas um quadro que reveste essa fé sem substância. Cristãos brancos americanos gostam de proclamar que Jesus vai mandar você para o inferno, por não acreditar nele, como seu salvador pessoal, quando, ao mesmo tempo, retratam um Jesus branco, suave, quase feminino, que tira fora todo o significado do Cristo, o que torna sua vida mais confortável, com menor preocupação. Os cristãos podem dizer que creem em Jesus, mas qual? A qual Jesus tem reverenciado em cada culto?

E o seu Jesus é branco? negro?  representa a verdade oculta a séculos, que traz em seu bojo a dignidade de uma raça negra hebreia, ou representa, através de um Jesus branco e suave, a raça branca exaltada na pessoa do Cristo, e que no ar doce e gentil, revela, nada mais nada menos que, um cristianismo adormecido, entorpecido, hipócrita, e em última análise, racista.

Fonte:
Publicação eletrônica. Disponível em: 
https://turtlestacks.wordpress.com/2008/07/17/jesus-the-great-white-hope/. Acesso em 20 out. 2015.



Nenhum comentário:

Postar um comentário