Menu Suspenso

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

O fundador do budismo (Buda) era negro.



Vamos falar de Buda, um dos primeiros ativistas da humanidade, que lutou contra a opressão do povo preto.

Obs.:  este post tem origem em alguns textos do blog Baya; sugiro, então, que você que conheça o blog citado.

Você certamente (como eu), deve pensar na pessoa do Buda (Sidarta Gautama/criador do budismo) como um homem japonês ou chinês (um asiático), mas, de fato, isso não é assim.

O budismo foi criado na Índia, no séc. VI a.C., e está ligado ao hinduísmo, religião na qual Buda é considerado a encarnação ou avatar de Vishnu. E, o povo indiano é negro. Só isso seria suficiente para provar que Buda era preto. Mas, vamos aprofundar a explicação:

 

Segundo o historiador e teólogo Walter Passos, temos um grave desconhecimento sobre a história preta da Ásia, oriunda das migrações de africanos, que povoaram o planeta. E não conhecer essas migrações torna difícil comentar sobre o Budismo. Mas, vamos tentar assim mesmo, utilizando como fonte o blog Baya, do historiador e teólogo citado, entender a questão.

Walter Passos destaca que, a antiga Índia é citada na bíblia quatro vezes, e estava localizada no Vale do Indos, e abrangia uma área do rio Oxus no Afeganistão, até o Golfo de Bombaim, na região meridional da Índia do Sul. As regiões que atualmente compõem a Índia, Paquistão e Bangladesh eram partes componentes de uma civilização conhecida por Harappans. Sobre esta civilização, veja explicações detalhadas em: http://cnncba.blogspot.com.br/search/label/India

Um dado interessante, a respeito do antigo povo que compôs a Civilização do Vale do Indo, é descrito no livro: “A origem da civilização indiana no vale do Indo-Sarasvati: teorias sobre a invasão ariana e suas críticas recentes”. É dito que, os arianos invadiram a região, e eram caracterizados pela selvageria, algo que me lembrou muito o povo Kazar. E é dito também, que estes invasores olhavam com desprezo a população nativa, zombando de suas características como nariz achatado e a pele escura (Flávia Bianchini).

Esse povo (ariano) também teriam criado formas opressivas relatadas nas escrituras arianas védicas, as quais dizem que, houve uma guerra entre os poderes da luz (brancos) e da escuridão (povos pretos). Documentos e descobertas arqueológicas, bem como o antigo sistema de castas, da Índia, corroboram essa que, é tida por muitos como uma verdade historicamente comprovada: “Os arianos invadiram a Índia. Realizaram genocídios e criaram o opressivo sistema de castas baseados na cor epitelial” (Walter Passos).

Em outro artigo, intitulado de: "Cochin ou Kochi – racismo contra os hebreus da Índia", Walter Passos observa que, a presença dos hebreus na Índia é muito antiga, de muito antes de Cristo. Um dos dados mais antigos e aceitos é de que, os hebreus chegaram à época do rei Salomão, através do comércio do reino de Israel, com o rei de Kerala, no sul da Índia. As marinhas dos Reis Hiram e Salomão teriam visitado a Índia, pois, é afirmado que trouxeram o ouro, prata, marfim, macacos e pavões (I Reis10: 22)... Outra hipótese, para a presença de hebreus na Índia, seria a de que este povo (indiano) é uma das “dez tribos perdidas de Israel”. Estas diversas hipóteses dão a antiguidade dos hebreus de Cochin (maior cidade do estado de Kerala, na Índia) como uma das mais antigas comunidades em diáspora, do planeta.

Em 1167, Benjamin de Tudela escreveu que viviam 1.000 hebreus na Costa do Malabar:

"São pretos como os seus vizinhos e são bons homens, os observadores da lei, e possuem a Torá de Moisés, os profetas, e alguns poucos conhecimentos do Talmud, e da Halachá. São cerca de 1.000 famílias que vivem do cultivo de pimenta, canela e gengibre.”

No blog Baya, encontramos um relato que lembra muito a história do povo kazar, convertido ao judaísmo, e mesmo o povo israelita contemporâneo. É dito que, haviam dois grupos de judeus em Cochin: os Malabari, são considerados os que chegaram à Índia, como comerciantes, durante o período do rei Salomão. E o segundo grupo, os “Pardesi” (Estrangeiros), que seriam judeus de Portugal, Holanda, Espanha e Alemanha. Os estrangeiros começaram a afirmar que, os Meyuhassim eram prosélitos e convertidos objetivando o poder político e econômico e que, o príncipe foi de sua comunidade - veja a nossa postagem: “(05) A 13ª tribo, falsos israelitas, Khazares, Ashkenazi, Edomitas...”, do dia 26 de julho de 2015.

Tentaram mudar a história dizendo que, eles chegaram à Índia, nos tempos de Salomão, tentando se apropriar da história dos hebreus de Cochin, e que os pretos foram seus escravizados convertidos ao Judaísmo.

Nathan Katz informa-nos, em seu livro: Who Are the Jews of India?, que nas comunidades de Indiana e do Malabar incluíam “judeus negros” e “judeus brancos”. Ele escreveu que, a origem dos judeus negros está na antiguidade, e os judeus brancos eram descendentes de comerciantes espanhóis, no século XV-XVI.

Um detalhe importante: inclusive os casamentos considerados tabu, mesmo quando necessários, para sustentar o encolhimento do número de hebreus e judeus de Kerala, porque os judeus de Paradesi diziam ter a pureza racial (kazares, pais dos europeus e israelitas modernos, não sois vós que dizeis tais coisas?)

Voltando ao Buda:

E seguindo ainda a linha explicativa de Walter Passos: o Buda histórico era da cor do ébano, e foi retrato fielmente, durante centenas de anos, por diversas civilizações asiáticas. (Veja algumas imagens antigas, de esculturas de Buda preto, no Baya, em: http://cnncba.blogspot.com.br/2009/05/buda-negro.html). 

Temos então que, Buda teria sido chefe de um povo (ancestral dos indianos), e teria liderado a primeira guerra contra os arianos, seguidores do Bramanismo, na Índia. Para finalizar, sem esgotar o tema, segundo o historiador, a não divulgação das estátuas pretas do Buda histórico é um ato meramente ideológico, para evitar a discussão das civilizações pretas, na Ásia, somada à negação da invasão ariana. 

Você duvida disso? eu não!

Sugiro ao leitor deste blog que veja as publicações: "Buda negro", e "Os Hebreus de Cochin ou Kochi – Racismo contra os hebreus da Índia", de Walter Passos, no blob: BAYA.

Fontes:

Walter Passos. Buda negro. Disponível em:

Walter Passos. Os Hebreus de Cochin ou Kochi – Racismo contra os hebreus da Índia. Disponível em: http://cnncba.blogspot.com.br/search/label/India. Acesso em 23 out. 2015.
 
BIANCHINI, Flávia. A origem da civilização indiana no vale do Indo-Sarasvati: teorias sobre a invasão ariana e suas críticas recentes. Pp. 57-108, in: GNERRE, Maria Lúcia Abaurre; POSSEBON, Fabrício (orgs.). Cultura oriental: língua, filosofia e crença. Vol. 1. João Pessoa: Editora da UFPB, 2012.



2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Interessante, mas faltam várias referências que foram negligenciadas para se chegar a este argumento e como estudante do budismo vou cita-las:
    1. Nunca se afirmou que Buda fosse chinês ou japonês, o budismo foi introduzido nestas culturas, sempre se afirmou que o budismo veio do norte da India, tanto é que muitos monges japoneses fizeram longas viagens na China atrás de escrituras em sanscrito (escrita de origem indiana);
    2. No norte da India a o predomínio dos hindus de pele mais clara de origem Ariana, Duda é do norte da Índia (os de pele escura, ou Dravidianos estão no Sul da India);
    3. Buda veio da classe guerreira (Xatrias) e tinha vida abastada, tinha três castelos, era um príncipe provavelmente muito mais ariano do que dravidiano;
    4. Não eram só os negros que chegaram até a Índia, os arianos também estavam a 1500 A.C. e empurraram os Dravidianos para o Sul, Buda não nasceu no Sul, mas no Norte;
    5. As estátuas de Buda negras no Japão o são assim por conta do material usado, o Buda de Nara é de bronze e é constantemente limpa, as estátuas da indonésia podem parecer de traços negros, mas na verdade tem traços típicos do povo desta região que também tem nariz largo e lábios grossos;
    6. Os primeiros a fazerem estátuas de Buda foram os Gregos, pois nos séculos seguintes Alexandre O Grande chegaria na região do Iran e Paquistão criando o reino Indo-greco, os gregos sincretizaram o budismo na suas crenças e criaram as mais antigas estátuas de Buda que influenciou toda a arte budista até os dias atuais (vide os Budas de Bayman explodidos pelo Talibã, vide também sobre o greco-budismo);
    7. As cores diferentes nas quais os Budas são retratados não diz respeito a cor de pele, mas as qualidades de Buda conforme os "Dukkas", portanto o Buda pode ser retratado amarelo, azul, vermelho, branco, etc. O Buda azul escuro é o Buda da medicina.
    Para os budistas a cor da pele pouco importa, assim como pouco importa a cor da pele de Shakyamuni Buda, pois para os budistas tudo isto são convenções da sociedade e de nada valem para atingir a iluminação, o budismo é a terceira maior religião do mundo e esta nas mais diversas etnias independente de cor de pele. Aliás, ninguém sabe como era Shakyamuni Buda, porque ninguém o retratou na época em que vivia, mesmo porque isto era irrelevante diante dos ensinamentos dele.

    ResponderExcluir