Menu Suspenso

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Genealogia de Noé até os Fenícios (povos negros da bíblia).


 
Noé é considerado nosso pai (de toda a humanidade moderna). Há quem diga que nele encontram-se as três raças básicas da humanidade. Ele teve três filhos: Can, Sem e Jafé. Segundo William Dwight McKissic, o nome Can significa “escuro ou negro”, Sem significa “pardo ou cor de oliva”, e Jafé significa “claro ou loiro”.
Segundo McKissic (um proeminente antropólogo), Can é considerado o pai ancestral dos negros, mongóis e índios, Sem é considerado o pai ancestral dos Semitas (árabes e judeus); e Jafé é considerado o pai ancestral dos caucasianos.
Talvez você pergunte: como de um só homem poderiam surgir três etnias tão distintas?
De acordo com Burnett Hanson, isso é possível. Para isso acontecer, Noé ou sua mulher teria de ter pele escura, ou ambos. As pessoas de pele escura podem, e frequentemente produzem uma prole de pele clara; entretanto, é geneticamente impossível, para as pessoas de pele clara produzirem filhos de pele escura.
Segundo H.G. Wells (um importante historiador), “possivelmente, as raças mais antigas dos homens eram todas pardas ou negras, e a alvura seja nova”.

Arthur C. Custance, Ph.D. (Antropologia) parece concordar com o Dr. Hanson, no seu livro, “Noah’sThree Sons” (Os Três Filhos de Noé), ao dizer que, “é possível que Can tenha sido um mulato. Na verdade, o seu nome significa “escuro”, e talvez se referira à cor de sua pele”.
Na verdade, o berço da humanidade está na África, então, Adão era negro.

Can era negro. E, quem foram os filhos de Can? De acordo com Gênesis 10:6, Can tinha quatro filhos: Cuxe, Mizraim, Pute e Canaã. Os camitas eram pessoas, que seriam classificadas como negras ou negroides.
Cuxe foi o progenitor do povo etíope. As palavras “Etiópia” (Gênesis 2:13) e “Cuxe” (Gênesis 10:6) são usadas, alternadamente, nas Escrituras. A palavra “Cuxe” é uma palavra hebraica, que significa “preto”. Etiópia é uma palavra grega, que significa “um homem com uma face queimada (sol) ou preta”. Uma inscrição descoberta na Etiópia, em 1914, tem a palavra “Qevs” ou “Kesh” grafadas. Disso, alguns estudiosos concluem que, a palavra “Kuxe” ou “Cuxe” originou-se da Etiópia, e não do Egito, nem de Israel. A palavra grega para queimado era “ethios”, e a palavra para face era “ops”, assim “ethios” mais “ops” se tornou Etiópia.

Diodorus Siculus relatou que: “os etíopes se consideravam a nação mais antiga, do que qualquer outra nação”. “Herodotus, o pai da história, atesta que, os etíopes eram o povo que mais viveu”. Uma mulher da corte de Salomão descreveu a si mesma como negra e linda (Cantares de Salomão 1:5). Moisés casou-se com uma mulher etíope (Números 12:1). A Escritura descreve os etíopes como escuros e altos (Jeremias 13:23; Isaías 45:14; Isaías 18:1,2,7).
Já vimos na publicação intitulada: Tudo começou na Babilônia, do dia 01 de setembro de 2015. Etiópia era o antigo nome da África. De acordo com Homer e Herodotus, os habitantes dos seguintes territórios: Sudão, Egito, Arábia, Palestina, Ásia Ocidental, e Índia eram etíopes. O Dr. Du Bois afirma que o Egito era uma colônia dos etíopes. Há pirâmides na Etiópia, que se rivalizam com as pirâmides do Egito. Os cusitas ou cuxitas (etíopes) foram os fundadores da civilização da Mesopotâmia.

 
Sobre o segundo filho de Can, Mizraim.
A palavra “Misraim” significa “filhos do sol”, e é traduzida na Revised Standard Version - bíblia - como “Egito”. Fausset também mostra que, os egípcios eram de origem “negra”. John G. Jackson, uma reconhecida autoridade da história da África, relata que: “os antigos habitantes dessa terra africana chamavam o país de Khem, ou Kam, ou Ham, que significa, literalmente, “a terra negra”; e eles se auto denominavam de Khemi , Kamitas, ou Camitas, significando, portanto, “o povo negro”.

Herodotus visitou o Egito, cerca de 500 a.C, e relatou: É certo que os nativos desse país são negros... Eles são de pele negra e têm cabelo lanoso. Lerone Bennet Jr., um historiador contemporâneo, anotou: “nas suas pinturas, os antigos egípcios se retrataram em três cores: negra, marrom avermelhado e amarelo”.
Mark Hyman – historiador - revela documentação científica referente à afiliação étnica dos egípcios: “foi feito um teste de melanina da pele de uma múmia egípcia... a melanina provou que os egípcios eram negros”. O egiptólogo e historiador Cheik Anta Diop provou isto. Veja a postagem: (01) Os Egípcios da antiguidade eram negros, e isso pode provar que Jesus Cristo também era, do dia 23 de julho de 2015.

Os Salmos referem-se ao Egito como a terra de Can (Salmos 78:51; 105:23, 26-27; 106: 21-22). O nome “Can” é derivado do nome egípcio “Kam”, que é a palavra mais significativa para “negro” ou “negróide”.
Continuando com a árvore genealógica:

Can teve filhos : Cuxe (Etiópia) Mizraim (Egito), Pute (Líbia) e Canaã (Palestina).
Os Filhos de Cuxe:

A Escritura diz que os filhos de Cuxe foram Sebá, havilá, Sabtá,,Raamá e Sabetcá, e os filhos de Ramá são Sebá e Dedã (Gênesis 10:7,8). Esses descendentes de Cuxe estabeleceramse  no Sul da Arábia, Norte da Arábia, Etiópia, Egito e Golfo Pérsico. Em Isaías 43:3, o nome Sebá está junto com a Etiópia, e em Salmos 72:16 é Sabá.
Sabá tem sido identificada como o Sul da Arábia e com a Etiópia. Os povos chamados sabeanos (descendentes de Sebá) são conhecidos na Arábia e na Etiópia. Havilá (Gênesis 2:13) é a primeira terra mencionada nas Escrituras (excluindo o Éden), e a Etiópia é a segunda terra mencionada nas Escrituras (Gênesis 2:13). I Samuel 15:7 coloca Havilá perto do Egito (as vezes nos esquecemos de que o Egito está no continente africano). Raamá, Sabtá e Sabetcá se estabeleceram ao Sul da Arábia. Dedã se estabeleceu no Norte da Arábia e no Golfo Pérsico.
A presença histórica e indígena do negro no Sul da Arábia, e em outras áreas da Ásia é bem documentada nas Escrituras, e na História. O Dr. Du Bois afirma: “Os árabes eram parentes muito próximos dos negros, para terem uma semelhança de cor tão próxima”. O Dr. Custance ligou os árabes do Sul, e os etíopes, linguisticamente; eles falavam uma língua não semita. Emmet Russel ligava o Sul da Arábia, e a Etiópia, politicamente. Herodotus ligava essas áreas, etnicamente. II Crônicas 21:16 liga a Arábia do Sul e a Etiópia, geograficamente. Josephus nos diz que a rainha de Sabá governou sobre a Etiópia e o Egito. O comentário Keil-Delitzsch nos diz que, o filho de Cuxe, Sabtá, era dos etíopes que habitaram Hadramaut, no Sul da Arábia, e parecia muito distintamente negróide. Allen P. Ross nota: “Os cushitas se estabeleceram na Arábia do Sul, e nos dias atuais, no Sul do Egito, no Sudão, e no Norte da Etiópia... Sabtá, antiga Hadhramaut, ficava na praia oeste do Golfo Pérsico”. A arqueologia confirma uma presença antiga do negro nas áreas já mencionadas.
Nimrod

Quem foi Nimrod? De acordo com as Escrituras, “este começou a ser poderoso na terra (Gênesis 10:8). Phillips declara: “Ele se tornou o primeiro imperialista do mundo e construtor de império”. Em Gênesis 10:9, Moisés registrou que Nimrod era “um poderoso caçador diante da face do Senhor”. O Dr. J. Vernon McGhee nota que, Nimrod não foi somente um conquistador de animais, mas, também de homens. O nome “Nimrod” significa “subjugar” “corajoso” e “rebelde”... Nimrod, o neto de Can e filho de Cuxe, foi o primeiro líder mundial. Alexandre Hislop, um antiquário europeu, reconhece que, Nimrod foi negro; “Agora Nimrod, como filho de Cuxe, era escuro, em outras palavras, era um negro”. Hislop também diz que, Nimrod foi adorado como um deus, em todo o mundo antigo, incluindo a Grécia, até o cristianismo se tornar a religião proeminente.

Sinar (Suméria)
Onde Nimrod governou? A Escritura diz: “E o princípio do seu reino foi Babel e Ereque” (Gênesis 10:10). Esses são claramente lugares da Mesopotâmia, localizados perto dos rios Tigre e Eufrates. Essa área era originalmente conhecida como: “a terra de Sinar” (Gênesis 10:10; 11:2). De acordo com o International One Volume Commentary of the Bíble, Sinar é provavelmente a forma hebraica de Suméria.

A Escritura claramente ensina que, após o dilúvio, toda a terra tinha uma mesma língua, e estabeleceramse na terra de Sinar (Gênesis 10:10, 11:1). William Halo e William Kelly Simpson, professores de história antiga na Universidade Yale, relatam no livro The Ancient Near East, que Sinar tornouse a primeira área a produzir a civilização, em todos os seus atributos essenciais. “A área em questão [o extremo sul da Mesopotâmia] pode agora ser chamada Suméria, e os seus habitantes sumérios”.
Certamente outros grupos raciais habitavam em Sinar; entretanto, o grupo dominante era negro. No quadro genealógico registrado em Gênesis 10, nós descobrimos que Can teve 30 descendentes, Sem teve 26, e Jafé teve 14. Consequentemente, é fácil entender porque o grupo dominante em Sinar era negro. Mas, enquanto todas as pessoas da terra estavam unidas sob Nimrod, eles tentaram construir uma torre. Lembre-se que, o reino de Nimrod começou em Babel (Gênesis 10:10).

Após a dispersão de Babel, os filhos de Jafé fizeram a jornada, para o Norte (Europa); os filhos de Sem espalharamse nomadicamente, através do Oriente Médio; e os filhos de Can mudaram-se para o Sul da Arábia, África e Índia.
Entretanto, os três grupos raciais continuaram a ser representados em Sinar, mais tarde chamado de “Babel” ou “Babilônia”, em memória do local onde o ETERNO confundiu as suas línguas. O grupo dominante de pessoas em Sinar foram os Cusitas. O bem conhecido estudioso da Escritura Merril F. Unger argumenta que, a Mesopotâmia do sul (Babel) era o nome original dos Cusitas.
A Escritura coloca Sinar na família de Can, no quadro genealógico geográfico de Gênesis 10. De acordo com Halo e Simpson, os sumérios referiam-se a si mesmos como: o “povo de cabeça negra”.Runoko Rashidi, em um artigo intitulado: “Mais Luz na Suméria, Elão e Índia”, afirma: “Os sumérios chamavam a si mesmos de o povo de cabeça negra, e os seus mais poderosos  líderes, como Gudéia de Lagash, consistentemente escolhiam pedras muito escuras, e preferivelmente pretas, para as suas representações em estátuas”. Quando os povos semitas ganharam o controle da Suméria, cerca de 2.350 a.c., sob Sargão, ele se gabou: “As pessoas de cabeças negras a quem eu governava”...
Assur (Assíria)

Assur, o último descendente de Cuxe, que foi mencionado em Gênesis 10, foi o fundador da Assíria. Clem Davies, no seu livro intitulado: The Racial StreamsofMankind, argumenta que os assírios eram mulatos. Assur foi o construtor da grande cidade de Nínive, e era do reino de Ninrode. Assur também construiu Reobote-Ir, Calar e Resen (Gênesis 10:11,12), todas, grandes cidades da antiguidade, localizadas na Babilônia. O Dr. Du Bois assegura que, havia uma forte linhagem negra, entre o povo assírio.

Os Filhos de Mizraim (Egito)
O segundo filho de Can, “Egito”, produziu oito filhos denominados: Ludim, Anamim, Leabim, Naftuim, Patrusim, Casluim, Filisteu e Caftorim (Gênesis 10:14). Seis dos filhos de Mizraim estabeleceram-se no Norte da África, Caftorim estabeleceu-se em Creta, e Filistim eventualmente estabeleceu-se, na  ilha de Creta, ao Sul de Israel. A epístola de Paulo para Tito foi endereçada à ilha de Creta (Tito 1:5). Josephus nos diz que, os gregos eram denominados de “Filistim”- de Palestina. John Phillips nota que, a palavra “Filisteu” é derivada de uma raiz etíope. O Dr. H. Beecher Hicks afirma que, os palestinos têm uma linhagem genética com o povo negro. Na página de inicial do Dallas Morning News, em 11 de janeiro de 1988, aparecem fotos de crianças palestinas negras.

Sidom (Fenícios).
Canaã, o filho mais fecundo de Can, teve 11 descendentes (Gênesis 10:15-18). A Escritura diz que Sidom foi o primeiro a nascer. Sidom ficava  localizada no Líbano moderno.

Barco Fenício

Sidom e Tiro eram as bases do povo Fenício. Josephus e Agostinho, que eram ambos testemunhas oculares do mundo neo-testamentário, afirmavam que, o povo de Can ocupou Sidom, e os fenícios se consideravam cananitas. Os fenícios fundaram a grande cidade da antiguidade, chamada Cartago. O comentarista bíblico John Phillips reconhece que, “mesmo Cartago, a antiga rival de Roma, não era jafetista, mas, camita... os fenícios eram um povo cananita”.
Eis aí, a linha que liga Noé aos fenícios, que nos mostra toda uma imensa linhagem de homens negros, proeminentes na história humana e nas sagradas escrituras.

Este texto é uma obra de William Dwight McKissic, e tradução de Helen A. Hempel. Você pode ler a sua continuação em: http://ocaminho.tripod.com/Origens.htm.
O título do texto é: A ORIGEM DOS NEGROS. Os Negros e o Cristianismo. Publicado no site congregação israelita o caminho.

Um comentário:

  1. resumo da história atual, data de Primavera de 1998... e finalmente naquele sábado fui visitar aquela criatura que há alguns meses mi era apresentado por seu visinho Geraldo; e aquele ERA DE PÉLE ESCURA e de nome ADÃO logo que o ví e fomos apresentados; e ali onde mi assentei ele mi passou a sua pasta de documentos e assim que abrí e peguei a sua CTPS fui direto na página das informações pessoais para saber d e onde ele vinha e onde ele tinha nascido. E ele explicando em palavras revelou que a cidade era uma daquelas sete cidades que foram inundadas para a construção do Lago de Sobradinho. Ele era negro e não conheceu o pai e nem a mãe, pois foi abandonado ainda bêbe recém-nascido, e foi criado por aqueles daquela família que o encontrou. -É ele; encontrei o Adão! Pensei comigo. E assim que os dias foram passando fui mi acostumando com a idéia de que ele viera para São Paulo com a simples intenção de si aposentar e para comprar um gerador de energía para levar na sua viagem de volta para as agrovilas que foi onde se instalaram as famílias que viviam em Casa Nova, Sento, Sé, Pilão, Arcado, Xique-Xique e Remanso. Uma coincidência foi que o visinho que o apresentou mi encontrou em um escritório em uma rua da Praça da Sé no centro velho de São Paulo. E Eu mi mudei para um cômodo da casa da frente que estava em contrução; e com o tempo e o estudo das coisas com as quais Eu estava envolvido Eu e ele íamos convivendo como visinhoss no mesmo quintal e fui mi certificando de que de fato ele era mesmo o Adão, a primeira criatura do sexo masculino mencionado nas bíblias; e passados quatro anos depois Eu estava levando uma colega para marcar uma fração do terreno lá na antiga pedreira da família dos Mateus, entre eles: O Luís Mateus e o Vivente Mateus e bem alí na Vila Cosmopolita onde ele Adão foi encontrado; e pelas primeiras investigações era ela A antiga Eva...

    ResponderExcluir