Menu Suspenso

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

A sórdida manipulação do resultado da Primeira Guerra Mundial pelos falsos israelitas.

Freedman, um rico empresário judeu, ficou desiludido com sua herança judaica, depois de saber da verdadeira história - origens - de seu povo, e das maquinações políticas dos israelitas, em todo o mundo.
 
 
Rompendo com o Judaísmo organizado, ele aplicou a maior parte de sua grande riqueza em tentativas de revelar ao mundo a força motriz por trás da verdadeira criação da nação de Israel pelas Nações Unidas, bem como outros equívocos históricos sobre a verdadeira raiz - khazarianos - do judaísmo moderno.
 
Em uma narrativa convincente da história mundial, Freedman relaciona o fomento da traição que ele testemunhou, na manipulação do resultado da Primeira Guerra Mundial.
 
 
De acordo com Freedman, e outros historiadores, a Alemanha – aparentemente – estava vencendo a primeira guerra mundial, quando decidiram fazer, no verão de 1916, uma oferta surpreendente e magnânima, para a Grã-Bretanha. England was in a very precarious position at that time;

A Inglaterra estava em uma posição muito precária, devido à falta de suprimentos, falta de munição, de comida, isso porque, os alemães atacaram todos os comboios dos aliados, que iriam suprir os britânicos.  Mas, ocorre o inesperado, a Alemanha oferece condições para a paz.

"Naquele tempo", diz Freedman, "o exército francês tinha se amotinado. Eles haviam perdido 600 mil jovens franceses na defesa de Verdun no Somme. O exército russo estava desertando, eles estavam pegando suas armas e indo para casa, e o exército italiano tinha desmoronado”.

Freedman continua:"Nenhum tiro havia sido disparado em solo alemão, nem um soldado inimigo tinha cruzado a fronteira da Alemanha", mas, eles ofereceram a paz. E não a paz ordinária do conquistador e do conquistado. Os alemães propuseram um status quo ante acordo de paz, o que significa que, ambos os lados teria de voltar para o mesmo status que antes do início das hostilidades.

With the enticement of such an offer, and with all other options effectively eliminated, Britain had little choice but to accept.Com tal oferta, e com todas as outras opções efetivamente eliminadas, a Grã-Bretanha tinha pouca escolha a não ser aceitar. However, there arose another offer, much more attractive to the British ego, which would bring about a victory heretofore impossible. No entanto, surgiu uma outra oferta, muito mais atraente para o ego britânico, que traria uma vitória até agora impossível.

Enquanto a Alemanha estava tentando acabar com a guerra, de uma forma mais honrosa, os alemães sionistas, representantes sionistas da Europa Oriental, aproximaram-se do Gabinete de Guerra britânico e ofereceram-lhes uma alternativa melhor do que fingir que uma guerra nunca tivesse acontecido.

Estes eram/são os judeus, cujo propósito dominante era/é o estabelecimento de uma "pátria judaica". Proposta que a maioria dos judeus daquela época não endossou. Collegiate Dictionary de Webster define "sionismo" como "um movimento internacional, para o estabelecimento de uma comunidade nacional ou religiosa judaica na Palestina e, posteriormente, para o apoio a Israel moderno.”

No momento em que as Nações Unidas decretaram Israel como um Estado legítimo, em 14 de maio de 1948, a mais conservadora das seitas judaicas, os hassídicos, se opuseram fortemente à criação de um Estado secular de Israel, alegando que era errado fazê-lo antes da vinda do Messias.

A oferta feita aos britânicos consistiu de uma proposta de trazer os Estados Unidos para a guerra, em apoio à Grã-Bretanha e assim, garantir uma vitória aliada, sendo exigido apenas que, após a derrota Alemã, uma grande parte de terras da Palestina, fosse garantida para a formação da pátria judaica. Tenha em mente que, esta pátria estava sendo criada por aqueles que não tinham ascendência israelita, não eram provenientes das tribos semitas do antigo Israel, e, portanto, nenhum direito ancestral tinham, para tal pedido.

Freedman fez a observação de que “a Inglaterra não tinha mais direito de prometer a Palestina aos judeus, do que os Estados Unidos teriam de prometer o Japão para a Irlanda", mas isso é precisamente o que eles fizeram. Esta promessa resultou na elaboração de um documento histórico chamado: “A Declaração de Balfour”. Veja o texto, na íntegra, deste documento histórico, curto e conciso, logo abaixo:

Ministério das Relações Exteriores
2 de novembro de 1917
Dear Lord Rothschild,
Caro Lord Rothschild,
I have much pleasure in conveying to you, on behalf of His Majesty's Government, the following declaration of sympathy with Jewish Zionist aspirations which has been submitted to, and approved by, the Cabinet.
Tenho muito prazer em transmitir-lhe, em nome do governo de Sua Majestade, a seguinte declaração de simpatia, com as aspirações sionistas dos judeus, que foram apresentadas e aprovadas por este Gabinete.
"His Majesty's Government view with favour the establishment in Palestine of a national home for the Jewish people, and will use their best endeavours to facilitate the achievement of this object, it being clearly understood that nothing shall be done which may prejudice the civil and religious rights of existing non-Jewish communities in Palestine, or the rights and political status enjoyed by Jews in any other country."
"O Governo de Sua Majestade aprova o estabelecimento, na Palestina, de um lar nacional para o povo judeu, e vai usar seus melhores esforços para facilitar a consecução deste objetivo, sendo claramente entendido que, nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos das comunidades existentes, não judaicas, na Palestina, ou os direitos e estatuto político dos judeus em qualquer outro país.”
I should be grateful if you would bring this declaration to the knowledge of the Zionist Federation.
Ficaria muito grato se você levasse esta declaração ao conhecimento da Federação Sionista.
Yours sincerely,
Com os melhores cumprimentos,
Arthur James Balfour

Observe a segunda frase (que é também o segundo parágrafo), que afirma que, “nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos das comunidades não-judaicas existentes na Palestina". Was it perhaps not considered at that time that the forcible dispossession of other persons from their land and property -- namely the Palestinian Arabs -- was a violation or prejudicial to their "civil and religious rights"? Não foi, talvez, considerado, nessa altura do “campeonato”, que a desapropriação forçada dos árabes palestinos, de suas terras e propriedades fosse uma violação aos seus "direitos civis e religiosos". That does seem a bit of a stretch. Paradoxal!

Um ponto interessante na apresentação de Freedman é que, os judeus alemães foram muito bem tratados na sua terra, muitos deles tendo fugido da perseguição da Rússia e outros países do Leste Europeu. Como Freedman coloca, "os judeus nunca tinham estado em melhores condições, em qualquer país do mundo, mais do que tinham estado na Alemanha." Quase todos os gigantes industriais da época, o Rathenaus, o Balins, Bleichroder, os Warburgs, e, claro, o Rothchilds (a quem a carta Balfour é o destinatário) eram judeus e residiam na Alemanha.

 Os métodos usados ​​para trazer os Estados Unidos para a guerra, contra a Alemanha, parece ter sido o clássico, padrão de incentivos, para os EUA entrar em guerra: negócios, e para obter aprovação de seu povo, seriam focadas: “as atrocidades cometidas contra as minorias étnicas, mulheres e crianças”, isso para obter o acordo do Congresso e dos cidadãos americanos. Isso já virou figurinha carimbada! Todo mundo já sabe, mas na época, foi artimanha de judeus alemães.

Freedman observa que os meios de comunicação americanos, que antes disso tinham sido em parte, pró-Alemanha, começaram a relatar que os alemães estavam envolvidos na prática de atrocidades que, mais tarde foi provado, eram totalmente falsas; atrocidades tais como a filmagem de enfermeiras da Cruz Vermelha cortando bebês, etc.

Durante o envolvimento de Freedman com questões de Estado, assistiu à Conferência de Paris em 1919...Nessa conferência, segundo o Sr. Freedman, havia 117 judeus presentes, sendo representados por Bernard Baruch, apresentando suas demandas: a partilha da Palestina como uma pátria judaica.

Quanto ao que tornou possível o estabelecimento efetivo do Estado de Israel, em oposição a uma mera declaração política pela Organização das Nações Unidas, o Sr. Freedman explica:"É um bem estabelecido e um fato histórico inegável", escreve ele, "que a participação ativa dos Estados Unidos na conquista da Palestina, em nome dos sionistas, foi o fator responsável pela conquista da Palestina pelos sionistas. Sem a participação ativa dos Estados Unidos ", enfatiza novamente Freedman," é certo que os sionistas nunca teriam tentado a conquista da Palestina, pela força das armas ".

O resto, como se diz, é história.

Quando consideramos que a história envolvida na formação do mundo, e especialmente no Oriente Médio, como é hoje, deixa de ser um mistério a respeito de porque os muçulmanos palestinos são possuídos de uma tal animosidade e ódio daqueles que, conforme apresentamos aqui, literalmente roubaram suas vidas e terras. Removemos o mistério da questão, do por que eles odeiam a América. Pois ela tem sido o fornecedor militar e financeiro de Gog e Magog, dos Khazar, na usurpação da Palestina. Como o Sr. Bush disse: "Se você apoiar terroristas, você é um terrorista, assim também pode-se dizer pelos muçulmanos: Se você apoiar os nossos inimigos que roubam nossa terra e nossa dignidade e nossa história, você também são nossos inimigos."

Essa mensagem deve ter tocado alto e claro em 11 de setembro de 2001, quando ainda dois dos principais evangelistas cristãos da América (Pat Robertson e Jerry Falwell) alegaram que o ato foi um castigo divino pelos pecados da América. Eles, é claro, abandonaram essa posição impopular, quando a opinião pública se voltou contra eles.
 
Fonte:
 
Benjamin H. Freedman. Uma pátria para Gog e Magog. Disponível em: https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://www.apfn.org/thewinds/library/khazars_2.html&prev=search. Acesso em: 02 out. 2015.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário