Menu Suspenso

domingo, 18 de outubro de 2015

A Ciência Não é Branca

Cientistas e Inventores Negros
 
Sobre cientistas e inventores negros, vamos deixar aqui, alguns exemplos de sucesso, que por algum motivo não são conhecidos do grande público (pra variar...).

Lembram dos egípcios? A civilização do antigo Egito foi absurdamente genial. Lembram do Imhotep? Há gente que simplesmente não sabe que, o pai da medicina não foi Hipócrates, e sim, o egípcio Imhotep. Favor, veja as seguintes postagens: “O Legado Roubado – Stolen Legacy (livro)”, do dia 29/07/2015, que fala, entre outras coisas, o seguinte: “a filosofia, as artes e as ciências foram legados à civilização, pelos povos do Norte da África, e não pelo povo da Grécia”. E não estamos especulando, e sim, falamos de fatos comprovados. Veja também a publicação sobre o polímata Imhotep, do dia 18 de outubro de 2015.

Nota: Amigos! eu não sou acadêmica, oradora, especialista, nem escritora, ou coisa do tipo, e nem sei bem o que estou fazendo aqui, em todo caso, descobri tanta coisa legal, que faz valer a pena, cada segundo que adentro este mundo maravilhoso, então, por que não levar um pouco disso à quem ainda é como eu fui: alienados e ignorantes destas coisas todas. Mas, e ainda bem, agora acordei. Então, acordem!

Retomando o pensamento inicial: há pessoas que não sabem que, o Egito antigo era composto de pessoas de pele negra, e que o antigo povo hebreu também era afro, sendo Jesus Cristo seu maior representante, então, por que haveriam de saber dos grandes nomes da ciência, que foram/são pessoas negras?

Vejamos um exemplo: o afroamericano Alexander Miles patenteou o elevador elétrico, em 11 de outubro de 1887. Na verdade, diz-se que, ele aperfeiçoou o método de abrir e fechar as portas, melhorando o fechamento e a abertura do poço do elevador quando este não se encontra parado no andar. Isso evitou vários acidentes, ou seja, salvou inúmeras vidas.

E olha que interessante (eu amo o Egito!): em 1500 a.C, os egípcios já utilizavam rudimentares elevadores, para elevar as águas do rio Nilo, através de tração animal e humana.

Voltando ao personagem anteriormente citado, Miles nasceu em Ohio, em 1838. Mais tarde, mudou-se para Waukesha, Wisconsin, onde chegou à ganhar a vida como barbeiro. Em 1870, mudou-se para Winona, Minnesota, onde conheceu sua esposa Candace J. Dunlap, uma mulher branca, nascida em Nova York (em 1834), e que era viúva, mãe de duas crianças. Juntos o casal teve uma filha, chamada Grace. Logo após o nascimento desta mocinha, a família mudou-se para Duluth, Minnesota.

Vejamos outros grandes inventores negros, que não foram devidamente honrados, chegando ao cúmulo de serem legados ao esquecimento.

Elijah J. McCoy (1844-1929) foi um canadense-americano, que inventou a lubrificação para motores, de máquinas à vapor. Nasceu no Caadá e em 1847, aos cinco anos, foi com sua família para os EUA, onde viveu pelo resto de sua vida. Aos 15 anos, McCoy viajou para Edimburgo, na Escócia, para estudar. Depois de alguns anos, ele se forma na Escócia, como engenheiro mecânico, retornando então, aos EUA.

Nos EUA, em Michigan, McCoy encontrou trabalho apenas como bombeiro lubrificador, na estrada de ferro central. Depois, em Ypsilanti, ele fez trabalhos mais qualificados, tais como melhorias, desenvolvimento e invenções...Foi então, que McCoy inventou um lubrificador automático para as máquinas a vapor de locomotivas e navios. 

Em 1909, Booker T. Washington, em História do Negro, reconheceu McCoy como aquele que produziu mais patentes, do que qualquer outro inventor negro, até aquele momento.
Elijah McCoy  casou com Ann Elizabeth Stewart, em 1868. Depois casou-se pela segunda vez, em 1873, com Maria Eleanor Delaney.


McCoy morreu em Michigan, em 10 de Outubro de 1929, com a idade de 86 anos, depois de sofrer ferimentos em um acidente de carro.

Outros grandes personagens negros da história, que contribuíram para importantes descobertas e inovação científica, não foram aqui citados, por falta de espaço, mas, você poderá fazer uma pesquisa rápida e encontrar outros grandes nomes...

Depois desta breve exposição sobre o assunto, indicamos o livro:
Ciência Tecnologia e Inovação Africana e Afrodescendente.
Do autor, professor e mestre em história: Carlos Machado.

Sinopse:

Aqui está um livro que vai te surpreender: Ciência, Tecnologia e Inovação Africana e Afrodescendente é surpreendente porque vai contra a imagem que temos dos negros cuja capacidade e realizações se restringe à áreas específicas de criação: música, esporte e dança. Se os nomes de Beyoncé, Neymar e Michael Jackson são mais ou menos familiares para a maioria de nós, seria difícil nomear dois ou três cientistas. Você sabia que a primeira cirurgia de coração aberto foi realizada pelo Dr. Daniel Hale Williams em 1893, em Chicago? Você sabia que o químico norte-americano George Washington Carver extraiu mais de uma centena de produtos, como farinha, tinta e borracha sintética do amendoim? Este livro revela uma nova dimensão da população negra, cuja contribuição à ciência e à tecnologia moderna é fundamental. Longe de ser exaustivo, este livro desperta nossa curiosidade e nos encoraja a avançar mais.

O livro está disponível para leitura em:

Indicamos também o curso online: Introdução à História da Ciência e da Tecnologia Africana (Curso). Que atende à Lei nº 10.639/03, que torna obrigatório o ensino da Cultura e da História Africana... O curso tem como foco trazer à luz todo o acervo de conhecimentos e descobertas científicas, feitas pelos negros... um excerto do livro do Mestre Carlos Machado, citado logo acima, em que o professor trabalha um tema preterido por gerações a respeito da participação negra no conhecimento sistemático e que agregará valor às aulas de História em todos os níveis.

Informações e Matrículas: 
Universidade São Judas Tadeu / DCEx – Departamento de Cursos de Extensão.
Tel.: (11) 2799-1854
Tel.: (11) 2799-1906 
 E-mail:dcex@usjt.br


VEJA O VÍDEO ABAIXO, INDICADO PELO MESTRE CARLOS MACHADO:

 



E acompanhem também, a página do Facebook, chamada Invenções do Povo Negro.

E no site do Geledés, você encontra uma pequena lista, contendo alguns nomes de inventores negros e suas criações.

http://arquivo.geledes.org.br/patrimonio-cultural/literario-cientifico/ciencias/cientistas-inventores/655-cientista-e-inventores-negros.

Por fim, indico o filme: Quase Deuses. Que traz a história de dois pesquisadores de classes diferentes, em busca de uma solução para as cirurgias cardíacas. A história gira em torno de Vivien Thomas (Mos Def), um jovem marceneiro demitido de seu emprego, durante a Grande Depressão de 1929. Em seguida, Vivien (ele tinha nome de mulher por um erro,  de sua mãe, ao registrá-lo) arruma um emprego de faxineiro, com um importante médico pesquisador, chamado Alfred Blalock (Alan Rickman). Vivien começa então, a estudar todos os livros sobre medicina, que havia em seu local de trabalho. Isso dará um novo rumo à sua vida. O resto da história você terá de ver em um resumo na web ou assista o filme:


Sobre o Dr. Vivien Theodore Thomas (1910-1985), é dito que ele teve de lutar contra a pobreza e o racismo, antes de se tornar pioneiro em cirurgia cardíaca.

Fontes:

Rogério de Moura. Alexander Miles.Disponível em: http://www.negrosgeniais.com.br/2011/12/alexander-miles.html.Acesso em 18 out. 2015.




Wikipédia. Elijah McCoy. Disponível em:
https://en.wikipedia.org/wiki/Elijah_McCoy. Acesso em 18 out. 2015.


Wikipédia. Imhotep. Disponível em:https://en.wikipedia.org/wiki/Imhotep. Acesso em 18 out. 2015.



Nenhum comentário:

Postar um comentário