Menu Suspenso

domingo, 30 de agosto de 2015

O Livro que demoliu o mito (Título: O povo judeu foi inventado)


Livro: A Invenção do povo judeu



Resumo bibliográfico do autor:

Shlomo Sand nasceu em 1946 em Linz (Áustria) e viveu os dois primeiros anos da sua vida em campos de refugiados judeus na Alemanha. Em 1948 os seus pais emigram para Israel, onde cresceu , vindo à cursar História, na Universidade de Tel Aviv. Mais tarde, de 1975 à 1985, estudou (mestrado) e lecionou em Paris.
 

Imagem de Yossi Gurvitz no Flikr

Esse é o autor de uma tese controversa, que garante, os judeus do atual Israel, não são de origem hebreia, não são judeus legítimos!

Entre outras coisas, Sand disse que, a religião não confere ao povo judeu um direito histórico sobre a terra de Israel. Ele argumenta que, antes de Hitler, os judeus eram esmagadoramente contra o sionismo, além disso, o conceito de "Eretz Israel" não era sobre uma pátria terrena, mas sim, sobre algo de cunho espiritual.

No best-seller  de autoria de Sand  - 'A invenção do povo judeu' - encontra-se a teoria capaz de provar que, o povo judeu nunca existiu como uma 'nação-raça' , com uma origem comum, mas sim, em decorrência de uma mistura de grupos, que em várias fases da história, adotaram a religião judaica.

O autor, considerado pós-sionista, argumenta que, os judeus do atual Israel não são provenientes de um povo que foi exilado, ao invés disso, como já foi dito,  essa população judaica hoje residente em Israel, é composta de indivíduos e grupos, que se converteram ao judaísmo, em períodos posteriores, sendo  a história do exílio destes que lá vivem, um mero mito promovido...e ele vai um pouco mais além, ao argumentar que, judeus convertidos ao Islão, após a conquista árabe, foram assimilados entre os conquistadores., e portanto, são os progenitores dos árabes palestinos, e estes sim eram judeus.

A tese deste controverso historiador israelense defende que, foram intelectuais do século 19, de origem judaica, na Alemanha, que, influenciados pelo caráter popular do nacionalismo alemão, tomaram sobre si a tarefa de inventar um povo "retrospectivamente," fora de uma sede, para criar um povo judeu moderno.

Segundo outro estudioso, o Ofri Ilani, a tribo da rainha Dahia Al-Kahina, assim como outras tribos do Norte da África, convertidas ao judaísmo, seria a principal origem, a partir da qual se desenvolveu o judaísmo sefardita.

Sefardita  é o termo usado para referir aos descendentes de judeus originários de Portugal e Espanha.
 
O autor afirma que, apesar de, a rainha guerreira, Dahia Al-Kahina, uma judia indomável, ter feito grandes conquistas, é pouco ou quase nada conhecida dos israelitas. Por quê? Por conta de sua origem sefardita?

Primeiro, quem foi Dahia Al-Kahina?
 
Dahia foi a rainha que unificou os Berberes de Aures, na África do Norte, no século VII, da era cristã, e repeliu o exército muçulmano que invadiu o norte de África.
 
Shlomo Sand também atribuiu a origem da rainha Dahia Al-Kahina, assim como de outras tribos do Norte de África,  ao judaísmo sefardita (composta de judeus convertidos e não de judeus exilados).

Em suma, a tese central tratada no livro de Shlomo Sand (A invenção do povo judeu) tenta demonstrar que, os judeus que vivem hoje em Israel, e noutros locais do mundo, não são de forma nenhuma os descendentes do antigo povo hebreu, que vivia no reino de Judeia, na época do primeiro e segundo templo. A origem de tais judeus, segundo o autor, provém de diversos povos, que se converteram ao longo da história, em diversos locais da bacia do Mediterrâneo, e de regiões vizinhas. Assim também, os judeus da África do Norte, que segundo o autor, descendem de pagãos convertidos, bem como os judeus iemenitas (vestígios do reino Himiarita, no sul na península arábica, que se convertera ao judaísmo no século IV), e por fim, os judeus Asquenazes da Europa do Leste  , seriam refugiados do reino Khazar, que foi convertido ao judaísmo no século VIII. 
 
Ao contrário de outros historiadores, que procuraram abalar as convenções da historiografia sionista, Shlomo Sand não se contentou em regressar à 1948, ou aos princípios do sionismo, mas, buscou remontar à milhares de anos atrás.

É intrigante a coragem deste historiador, pois qualquer menção à pensamentos neste sentido, costuma ser  amplamente combatido como antissemitismo, que para mim, particularmente, é argumento de quem não consegue ir contra a verdade exposta por Sand.

Para Sand (e para mim também) "a descrição dos judeus, como um povo de exilados, errante e mantendo-se à parte, que vaguearam sobre mares e terras, chegando ao fim do mundo, e que, finalmente, com a chegada do sionismo, fazem meia-volta, para retornar em massa , à sua terra órfã, é um mito". Segundo o historiador, "para alguns pensadores sionistas, esta concepção mítica dos judeus como um povo antigo conduz a um pensamento verdadeiramente racista". De fato, o verdadeiro povo hebreu ainda está espalhado nos quatro cantos do mundo.
 
 
Vemos que, o sionismo, como outros movimentos nacionais da Europa, foi criado, na Alemanha do século dezanove, por intelectuais de origem judaica (judeus sefarditas de origem kazar), influenciados pelo carácter 'volkiste' do nacionalismo alemão.

 
Veja uma entrevista de Shlomo Sand, conduzida por Ofri Ilani:


Um trechinho da entrevista, para despertar seu interesse:

"Comecei a procurar livros sobre o exílio – um acontecimento fundador na História Judaica - quase como o genocídio; mas, para meu grande espanto, descobri que não existia literatura sobre o tema. O motivo é que ninguém exilou um povo desta terra. Os Romanos não deportaram povos e não o poderiam ter feito, mesmo que o pretendessem. Não tinham nem comboios nem caminhões, para poder deportar populações inteiras. Uma logística dessas não existiu antes do século XX. Foi, de faco, a partir daí, que surgiu o meu livro, da compreensão de que a sociedade judaica não tinha sido dispersa nem exilada".
 
 
Fontes:
 
Wikipédia. Shlomo Sand. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Schlomo_Sand. Acesso em 30 ago. 2015.
 
Do blog Hebreu Israelita. Autor? Título: A invenção do povo judeu! por Schlomo Sand. 2012. Disponível em: http://goguemagogueeoskhazars.blogspot.com.br/2012/02/invencao-do-povo-judeu-por-schlomo-sand.html. Acesso em 30 ago. 2015.



5 comentários:

  1. Drishat Shalom! Eu tenho este livro, só que ainda não o li, também tem um vídeo no you tube sobre o autor em uma entrevista com os críticos descendentes dos Khazares. Aqui o vídeo chama-se A Invenção da Terra de Israel. Lehitraot! https://www.youtube.com/watch?v=vQb5chFPad8

    ResponderExcluir
  2. Drishat Shalom! Eu tenho este livro, só que ainda não o li, também tem um vídeo no you tube sobre o autor em uma entrevista com os críticos descendentes dos Khazares. Aqui o vídeo chama-se A Invenção da Terra de Israel. Lehitraot! https://www.youtube.com/watch?v=vQb5chFPad8

    ResponderExcluir
  3. Não sou negro e tenho plena convicção de que os Judeus atuais não são os Israelitas/Hebreus, pois eram sim negros conforme evidenciamos nos inúmeros artefatos e estudos. Porem é de estrema importância que todos saibam, principalmente, para entendermos do pq de tanto sofrimento que vc's tem passado, pois em Deuteronômio 28 diz o pq de tudo isso, e agora entendemos o pq de tanta atrocidade na Africa e do pq as pessoas não tem feito nada para diminuir tamanho sofrimento naquele povo. È hora do povo negro levantar um clamor ao Eterno, igual fizeram Miriam e Anrão para que Ele retire esse julgo de vós. Shalon!

    ResponderExcluir
  4. e isso explica também, a matança dos verdadeiros Hebreus nas favelas e periferias brasileiras. E o apoio da chamada grande Mídia, haja vista que essas 06 famílias que dominam a imprensa são todos JUDEUS/SIONISTAS. FAMÍLIA MARINHO, SILVIO SANTOS, EDIR MACÊDO, ADOLFO BLOCH, FAMÍLIA CIVITA, FAMÍLIA FRIAS.

    ResponderExcluir
  5. e isso explica também, a matança dos verdadeiros Hebreus nas favelas e periferias brasileiras. E o apoio da chamada grande Mídia, haja vista que essas 06 famílias que dominam a imprensa são todos JUDEUS/SIONISTAS. FAMÍLIA MARINHO, SILVIO SANTOS, EDIR MACÊDO, ADOLFO BLOCH, FAMÍLIA CIVITA, FAMÍLIA FRIAS.

    ResponderExcluir