Menu Suspenso

terça-feira, 18 de agosto de 2015

A Cabalá e a escravidão dos negros na América

A história bíblica completa é um código.

Uma certa teoria, dos hebreus israelitas (negros) diz que, os 400 anos de escravidão, dos israelitas, não se cumpriu APENAS, no Egito; mas, completou-se na América.
 
Tal hipótese tem alguma lógica, mas, a Cabalá diz outra coisa.

A Cabalá é uma ciência que desvenda as escrituras sagradas, e nela, um verso bíblico não é aquilo que está na superfície...
 
Então, vamos analisar as passagens bíblicas que provam: a escravidão completou-se na América, e no final, veremos o que a Cabalá diz.
 
Genesis 15:13, diz: "então foi dito a Abraão: sabe com certeza que a sua posteridade será peregrina em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por 400 anos".
                                 


No inicio da peregrinação de Israel, na terra do Egito (Kemet), os israelitas gozavam de favores, por parte dos egípcios... (Genesis 45:19, 21, 27). Isso porque José (filho de Jacó) era o vice-governador de Kemet, (Genesis 45:18-24).

Mas, Atos 7:6 diz que, os israelitas (hebreus/negros) seriam levados à escravidão, logo no inicio de sua chegada, à terra de seus inimigos Sabemos que isso não ocorreu. Até a morte de José (que viveu 110 anos, sendo mais de 90 anos no Egito) os hebreus ainda desfrutavam de bons tratos, por parte dos egípcios. Genesis 50:26

As escrituras (Torá, Bíblia) relatam que, José viveu 110 anos. Ele viu os filhos de seu filho Efraim, até a terceira geração, e também os filhos de Maquir, o filho de Manasses (seu outro filho). As escrituras dizem que, os filhos de Maquir nasceram sobre os joelhos de José (Genesis 50: 23-26). Então, José viveu o suficiente para ver seus bisnetos. E durante esse período os israelitas gozavam de bons tratos...

Além disso, para que a profecia de Genesis 15:13 (400 anos de escravidão) pudesse ter se cumprido, durante a estadia dos israelitas no Egito, teria de ocorrer o seguinte: ou os israelitas foram escravizados, por mais de 400 anos, ou então, deveriam ter sido escravizados, logo após os primeiros 30 anos de estadia, no Egito, fato que não ocorreu.

Êxodo 1:8 diz: "Entrementes, se levantou novo rei sobre o Egito, que não conhecera a José".

José era vice governador do Egito, ficando atrás apenas de Faraó (Êxodo 41:42-44). Então, ele era conhecido em toda a terra do Egito.  Mas, quando Israel foi escravizado, o Faraó que estava reinando, não conhecia José. De maneira que, para isto ter ocorrido, muitos anos se passaram, outros Faraós estiveram no poder, e juntamente com eles, outros novos vice-governadores. Então, após a morte de José, houve tempo suficiente, para que as lembranças de José, na casa de Faraó, fossem esquecidas, e agora, os israelitas já, não mais eram vistos como bons vizinhos.

Você sabe dizer quem foi vice-presidente do Brasil, no ano 2001? E em 2007? Com certeza você não lembra.

Note que, a escravidão dos israelitas, no Egito, não durou 400 anos.

Quanto tempo ela durou então?

Ela não ultrapassou 80 anos. Isso porque, 80 anos era a idade que Moisés tinha, quando os israelitas foram libertos do Egito. E, o povo de Israel foi escravizado, pelos egípcios, logo após o nascimento de Moisés, e essa (primeira) escravidão durou até Moisés completar a idade de 80 anos.

Mas, em Atos 7:6 há o relato de que, os israelitas seriam peregrinos em terra alheia, e seriam sujeitos à escravidão, e maltratados por 400 (quatrocentos) anos.

Em Genesis 15:18  Deus promete que: " à tua dissidência dei esta terra, desde o Rio do Egito, até o Grande Eufrates". De acordo com esse verso, o Egito também faz parte da terra que YHWH prometeu dar à Israel. Em Atos 7:6, Deus disse que, os israelitas seriam levados à escravidão, em uma terra estranha, (aqui terra estranha não pode estar fazendo referência ao Egito, pois de acordo com esse verso, a terra do Egito é também parte da herança israelita).

Chegamos ao “x” da questão.  A profecia não se cumpriu, na sua totalidade, no Egito.

Então, onde os 320 anos restantes, da escravidão, ocorreram ?

A partir do tráfico negreiro, no hemisfério ocidental?

A escravidão nas Américas, revela que, somente os negros (os hebreus originais) foram maltratados continuadamente, sob toda a forma de racismo, incluindo escravidão, linchamento, segregações... e nos dias de hoje,  o racismo ainda não acabou.

Então, foi somente nas Américas que, os israelitas foram escravizados, logo no início de sua chegada à terra estranha...

O livro de Miquéias, mostra-nos, onde estará Israel, nos últimos dias: "e o remanescente de Jacó estará no meio de muitos povos, como orvalho da parte do Senhor, como chuvisco sobre a erva, que não espera pelo homem, nem aguarda a filhos de homens." Miquéias 5:7.

No blog abaixo, que é fonte da primeira parte desta postagem, você encontra todas as provas de onde estão, e quem são os israelitas, nos dias de hoje, isto é, onde estão as 10 tribos dispersas... 

Hebreus Israelitas

 
Já Billy Phillips, que é cabalista, relata o seguinte:

Moisés foi enviado por Deus e libertou o seu povo. Ele liderou-os numa longa e árdua jornada.

Mas, se os Israelitas estavam experimentando a liberdade, pela primeira vez em séculos, porque começaram a reclamar, a se lamentar, sendo ingratos, assim que o calor e a temperatura esquentava um pouco mais no deserto?

Eles até chegaram à implorar à Moisés, que os levasse de volta para o Egito!

Será que devemos acreditar que a vida no deserto era muito pior, do que a escravidão no Egito?

E a escravidão de outros povos através da história? Devemos partir do pressuposto que, somente os Israelitas tiveram um período de dureza, enquanto a vida era um piquenique prazeroso, para os outros povos?
 
O célebre kabalista, conhecido como o Ari (Rav Isaac Luria) revelou que, a história bíblica completa é um código.
 
Mas este código, especialmente falando sobre a escravidão de Israel, eu não irei revelar à você, aqui.
 
Sugiro-lhe que acesse o site abaixo, e descubra por si, sobre este interessante assunto:
 
 
 Sugiro também, a Cabalá autêntica, com Tony Kosinec:

 

Kabbalah.info - Kabbalah Education and Research Institute
 
 Grande Rav Michael Laitmam
 
 
 
 
 
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário